PUBLICIDADE
Topo

Benvenuto Cellini Escultor e escritor italiano

3 de novembro de 1500, Florença (Itália)</p><p>13 de fevereiro de 1571, Florença (Itália)</p>

Da Página 3 Pedagogia & Comunicação

19/11/2009 01h30

A vida de Benvenuto Cellini foi marcada pela aventura. Ainda jovem, envolveu-se numa discórdia e foi banido para a cidade de Siena. De volta à sua cidade natal, Florença, foi condenado à morte e fugiu para Roma. Ali, protegido pelo papa Clemente 7º, realiza uma série de trabalhos.

Em 1529, mata um ourives rival. Arrependido, é absolvido. Recomeçam as perseguições, contudo, e ele Cellini retorna para Florença, à época governada por Alessandro de Médici. Depois de uma breve viagem a Paris, volta para Roma, onde é acusado de peculato, perseguido e preso. Foge da prisão, mas é recapturado. Finalmente, é solto.

Cellini retorna a Paris em 1540, e naturaliza-se francês. Um saleiro que ele molda nessa época é o único exemplar de ourivesaria renascentista em ouro que chegou até nossos dias.

Novamente perseguido, deixa Paris e volta a Florença. Começa, antão, a trabalhar em sua escultura mais conhecida, o "Perseu", talhado em bronze.

Autobiografia e outros trabalhos

Embora sua obra como escultor e ourives seja importante, Benvenuto Cellini ficou mais conhecido graças à sua autobiografia. Escrita em linguagem coloquial (a obra foi ditada pelo artista ao seu secretário), trata-se, do ponto de vista humano, de um dos principais documentos sobre a Renascença italiana.

Cellini também deixou, além do "Perseu", outras belas obras: o busto de Francisco 1º, as figuras, em mármore, de Jacinto, Apolo e Narciso, e um crucifixo de mármore que se destinava ao seu próprio túmulo.

Além da autobiografia, Cellini escreveu o "Tratado de ourivesaria", o "Tratado da escultura" e poemas em que enfoca a superioridade da escultura sobre a pintura.

Em 1558, achando que seu valor artístico não era reconhecido, Cellini entrou para um mosteiro, onde recebeu as ordens menores. Contudo, dois anos depois renunciou à vida religiosa para legalizar seu casamento com a governanta de sua casa.

Fonte: Enciclopédia Mirador Internacional