PUBLICIDADE
Topo

Catulo Poeta latino

entre 87 e 84 a.C., Verona (Império Romano)

entre 57 e 54 a.C., Roma (Império Romano)

Da Página 3 Pedagogia & Comunicação

28/10/2009 19h09

Caio Valério Catulo (Caius Valerius Catulus) relacionou-se com as figuras mais famosas de sua época, como Cícero, o historiador Cornélio Nepos e o próprio Júlio César. Contudo, a maior presença em sua curta vida foi a da amante, Clódia, que em seus poemas recebe o nome de Lésbia, nome inspirado em Safo, a poetisa grega.

Segundo as poucas informações de que os estudiosos dispõem, Catulo parece ter começado a escrever na adolescência, publicando seus poemas separadamente ou em pequenos conjuntos, até formar uma coletânea, dedicada a Cornélio Nepos.
 

Maior poeta lírico da Roma antiga

De acordo com o professor João Angelo Oliva Neto, "Catulo pertenceu a um grupo de poetas e intelectuais que, nos meados do século 1 a.C., rompeu com o passado literário romano". Daí as críticas que tal grupo recebia, por exemplo, de Cícero, que os chamava, ironicamente, de "poetas novos".

Os poemas longos de Catulo apresentam diversidade de metrificação. Quanto às peças curtas, nelas se destacam os epigramas elegíacos. Sua obra tem nítida influência dos modelos alexandrinos. E, em alguns casos, é evidente o uso que ele faz - verdadeira transposição - de poemas escritos por gregos, como Calímaco.

Catulo inaugurou na literatura romana uma forma nova - o poema leve, gracioso e elegante, para preencher uma lacuna existente entre a tragédia e poema épico de um lado, e a comédia e a sátira do outro. Ele exerceu considerável influência sobre seus sucessores romanos - e também sobre Ovídio, Horácio e Marcial.

Tornou-se, assim, o maior poeta lírico da Roma antiga. Foi um dos primeiros poetas a incorporar elementos da paisagem a seu mundo verbal, como reflexo de sentimentos pessoais. Seus poemas, muitas vezes, parecem falar de emoções próprias do homem ocidental contemporâneo.
 

Enciclopédia Mirador Internacional; O livro de Catulo (Edusp, 1996); Dicionário Oxford de Literatura Clássica