Topo

Biografias


Dwight D. Eisenhower 34.º presidente dos EUA, de 1953 a 1961

14-10-1890, Denison, Texas

28-3-1969, Washington, D. C.

Do Klick Educação

2015-08-17T20:58:12

17/08/2015 20h58

Comandante-chefe das tropas americanas na Europa desde 1942, Eisenhower dirigiu, durante a Segunda Guerra Mundial, as invasões do Norte de África e de França. Em 1944 e 1945 era o comandante-chefe das forças aliadas na Europa Ocidental e, mais tarde, das forças americanas de ocupação da Alemanha; de 1945 a 1948 foi chefe do Estado-Maior do Exército, em 1949 assessor militar do presidente Harry S. Truman e, em 1950-1952, comandante-chefe das forças da OTAN na Europa. Em 1952 foi eleito como candidato presidencial pelo partido Republicano. No contexto da Guerra Fria e da corrida aos armamentos com a União Soviética, imprimiu, juntamente com seu secretário de Estado para as Relações Exteriores, John Foster Dulles, uma nova orientação na política mundial. No momento em que terminava a Guerra da Coréia (1953) e a guerra da França na Indochina (1954), Eisenhower estabelecia um sistema mundial de alianças com a instalação de bases militares americanas, o que permitia aos EUA o lançamento de uma guerra de aniquilamento da URSS. Em 1955, a Áustria assinou o tratado que lhe concedia a soberania, mantendo a neutralidade militar. A República Federal da Alemanha foi forçada a entrar para a OTAN e a desenvolver um plano de rearmamento para obter uma soberania restrita (1955). Eisenhower não reagiu perante a repressão dos levantes de 17 de junho de 1953 na RDA e de 1956 na Hungria por parte de tropas soviéticas e, face às ameaças da União Soviética, pressionou a Grã-Bretanha, a França e Israel para retirarem suas tropas durante a Crise do Canal de Suez (1956). No Oriente Médio estabeleceu-se uma zona de influência americana tal como definia a chamada doutrina Eisenhower (1957). Após seu principal oponente, Nikita S. Kruschev, ver frustrar-se o ultimato de Berlim (1958), a elaboração de um tratado de paz global para a Alemanha (1959) e as relações entre as duas grandes potências se agravarem devido à derrubada de um avião de reconhecimento que sobrevoava a União Soviética (um "U2", em 1960), as reuniões com Kruschev em Camp David (1959) e Paris (1960) trouxeram um certo alívio. Na política interna, Eisenhower tentou pôr em prática uma política liberal, mas permitiu a "caça às bruxas" que Joseph R. McCarthy promoveu até 1954 com seu comitê de investigação das atividades antiamericanas. As tímidas medidas que tomou no sentido da integração racial foram combatidas por uns e criticadas por outros, tendo sido consideradas ineficazes e pouco contundentes.