PUBLICIDADE
Topo

Georges Bizet Compositor francês

25 de outubro de 1838, Paris (França)

3 de junho de 1875, Bougival (França)

Da Página 3 Pedagogia & Comunicação

25/05/2009 23h18

Alexandre César Léopold, dito Georges Bizet, era filho de um professor de canto e de uma pianista. Entrou aos nove anos para o Conservatório de Paris. Foi aluno de Fromental Halévy e de Gounod.

Após obter a primeira colocação em piano e órgão e ganhar o prêmio Offenbach com uma ópera, recebeu nesse mesmo ano o prêmio Roma. Passou três anos na capital italiana, compondo algumas obras contrárias à orientação formal da instituição que lhe patrocinava os estudos.

Pianista admirado por Liszt, Bizet preferiu, entretanto, continuar como compositor.

A primeira composição importante de Georges Bizet é a Sinfonia em dó maior (1855), quando ainda era aluno do conservatório. Os pescadores de pérolas, ópera de 1863, já revelava algumas das características de Carmen (outra de suas óperas), sobretudo um exotismo original.
 

Renovador da ópera francesa

Após Djamileh (1871) e a suíte L'Arlésienne (A Arlesiana, 1872), tirada da música de cena para a peça homônima de Alphonse Daudet, compôs Carmen (1873-1874), ópera cujo libreto foi extraído por Henri Meilhac e Ludovic Halévy da novela de Prosper Mérimée.

Carmen é a mais importante obra de Georges Bizet. A espontaneidade e a variedade de suas melodias, acrescidas da viva penetração nos sentimentos dos personagens, renovaram a ópera francesa.

Essa ópera está envolvida de uma impressionante dramaticidade e de uma surpreendente reconstituição do ambiente, cujo espanholismo, aliás, é negado por alguns críticos. O drama é centralizado em torno da volubilidade da cigana Carmen e do ciúme de seu parceiro, o soldado Don José, que a assassina no último ato.

Bizet exortava os compositores a exaltar os sentimentos e a fazer rir ou chorar. Mas Bizet também sabe aliar delicadeza e fluência a caracteres realistas. Brahms admirava Carmen. E Nietzsche exaltou a obra como o oposto de Wagner.

Além de Carmen e das outras óperas citadas, só conseguiram popularidade a suíte Jogos de crianças e, sobretudo, a melodiosa Arlesiana.
 

Enciclopédia Mirador Internacional