Político brasileiro

Geraldo Alckmin

7/11/1952, Pindamonhangaba (SP)​





Autor Da Página 3 Pedagogia & Comunicação




  • [creditofoto]

    O ex-governador de São Paulo, concorreu à Presidência da República em 2006

    O ex-governador de São Paulo, concorreu à Presidência da República em 2006

Formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de Taubaté, no interior de São Paulo, Geraldo José Rodrigues Alckmin Filho é especializado em anestesiologia. É casado com Maria Lúcia Alckmin e tem três filhos: Sophia, Geraldo e Thomaz.

Sua carreira política começou em 1972. Aos 19 anos, pelo MDB, foi o vereador mais votado em sua cidade natal. Tornou-se presidente da câmara municipal e, posteriormente, o mais jovem prefeito de Pindamonhangaba. Elegeu-se deputado estadual e deputado federal pelo PMDB.

Em 1988, foi um dos fundadores do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB). Elegeu-se vice-governador na chapa de Mário Covas em 1994. No ano 2000, foi candidato derrotado na eleição para prefeito de São Paulo. Em janeiro de 2001 com o afastamento de Covas por motivo de saúde, Geraldo Alckmin se tornou governador de São Paulo interinamente.

Com a morte de Mário Covas, tomou posse definitivamente. Reelegeu-se em 2002, mas por ter exercido uma parte do mandato de Covas, Alckmin não poderia concorrer novamente à reeleição em 2006.

No entanto, tornou-se o candidato de seu partido à Presidência da República e chegou ao segundo turno, na disputa com Luiz Inácio Lula da Silva. Derrotado, passou algum tempo em Washington, nos Estados Unidos, estudando economia.

De volta ao Brasil, candidatou-se em 2008 à prefeitura de São Paulo. Para isso, precisou vencer resistências no PSDB, pois o partido pretendia manter a aliança com o Democratas, apoiando a reeleição de Gilberto Kassab. A insistência de Alckmin em fazer-se candidato do PSDB foi a mesma que já tinha manifestado na candidatura à Presidência, dois anos antes. Nessa disputa para a prefeitura Alckmin ficou em terceiro lugar.

Alckmin também é conhecido pela alcunha de "Picolé de Chuchu", devido à falta de carisma. O marketing de político, porém, aproveita este aspecto para passar a imagem de um político diferenciado.
 

Folha de S. Paulo, Veja e Agência Brasil

UOL Cursos Online

Todos os cursos