PUBLICIDADE
Topo

José Mindlin Bibliófilo, empresário, advogado e jornalista brasileiro

<p>8 de setembro de 1914, São Paulo, SP (Brasil)</p><p>28 de fevereiro de 2010, São Paulo, SP (Brasil)</p>

Da Página 3 Pedagogia & Comunicação

04/03/2010 14h21

O lema de José Ephim Mindlin, gravado em todos os livros de sua vasta biblioteca, era uma frase do filósofo Montaigne: "Je ne fais rien sans gayeté" ("Não faço nada sem alegria").

Filho de imigrantes judeus ucranianos, Mindlin formou-se em direito pela Faculdade de Direito da USP (Universidade de São Paulo), em 1936. Antes disso, trabalhou como redator do jornal O Estado de S. Paulo, de 1930 a 1934. Depois de advogar durante vários anos, fundou, em 1950, a empresa Metal Leve S/A, pioneira em pesquisa e desenvolvimento tecnológico na área de autopeças, empresa que presidiu até 1996.

De maneira paralela à vida profissional, Mindlin se notabilizou por sua paixão pelos livros e pelo cuidado com que, desde criança, se dedicou a montar uma das maiores bibliotecas do Brasil, em grande parte relacionada à história e a estudos sobre o país. Junto com sua esposa, Guita, adquiriu e organizou milhares de volumes, muitos deles raríssimos.

Presença marcante na vida cultural brasileira, Mindlin atuou em inúmeros setores, fazendo parte de conselhos e entidades. Foi membro do Conselho Superior da Fapesp (Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado de São Paulo), diretor do Conselho de Fiesp (Tecnologia da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) e secretário da Cultura, Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo. Fez parte também do Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia - CNPq e da Comissão Nacional de Tecnologia da Presidência da República.

Além de participar dos conselhos de vários museus brasileiros, Mindlin foi membro honorário do Conselho Internacional do Museu de Arte Moderna de Nova York, membro emérito da Diretoria da John Carter Brown Library (EUA), uma das principais bibliotecas de livros raros do mundo, e da Associação Internacional de Bibliófilos (Paris, França). Foi também presidente do Conselho da Aliança Francesa de São Paulo e do Conselho Editorial da Edusp (Editora da Universidade de São Paulo).

Na área empresarial, ocupou, durante vários anos, a vice-presidência da Federação das Indústrias de São Paulo, tendo sido diretor titular do Departamento de Comércio Exterior e do Departamento de Tecnologia. Também foi membro do Conselho Internacional da FIAT, do Conselho Internacional do Unibanco e do Conselho do Banco de Montreal.

Professor Honorário da Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas e membro da Academia Brasileira de Letras, Mindlin recebeu o título de Doutor Honoris Causa de diversas universidades: Brown University (EUA), Universidade de Brasília, Universidade da Bahia e Universidade de São Paulo.

Entre os diversos prêmios que recebeu, destacam-se, em 1998, o Juca Pato, de Intelectual do Ano; em 2003, o Unesco, na categoria Cultura; e o João Ribeiro, da Academia Brasileira de Letras.

Mindlin doou parte significativa de sua biblioteca à Universidade de São Paulo, formando a Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin, órgão da Pró-reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP. Com expressivo conjunto de livros e manuscritos raros, a Biblioteca Mindlin é considerada a mais importante coleção do gênero formada por um particular. São cerca de 17.000 títulos (40.000 volumes): obras de literatura brasileira (e portuguesa), relatos de viajantes, manuscritos históricos e literários (originais e provas tipográficas), periódicos, livros científicos e didáticos, iconografia (estampas e álbuns ilustrados) e livros de artistas (gravuras).

Abnegado incentivador da cultura, José Mindlin sempre afirmava ser apenas o "guardião" de seus livros, que, ainda segundo ele, são "um bem público".

Fonte: Folha de S. Paulo; Academia Brasileira de Letras