PUBLICIDADE
Topo

Kim Il Sung Ditador norte-coreano

15/4/1912, Mangiongdae, Coréia do Norte

8/7/1994, Mangiongdae, Coréia do Norte

Da Página 3 Pedagogia & Comunicação

10/08/2005 12h31

De 1948 até 1994, ano de sua morte, Kim Il Sung governou a Coréia do Norte, com mão de ferro.

Nascido numa família de camponeses, Kim Il Sung recebeu uma educação cristã. Durante as lutas pela independência da Coréia, então pertencente ao Japão, a família de Kim mudou-se para a Manchúria, na China.

Lá Kim Il Sung freqüentou uma escola chinesa. Aos 15 anos foi preso como membro da Liga da Juventude Comunista do Sul da Manchúria. Libertado em 1930, passou a integrar o Exército Revolucionário Coreano.

Kim Il Sung tornou-se líder de um grupo guerrilheiro. Com a invasão da Manchúria pelos japoneses, cresceu o movimento de resistência na Coréia e na China. Mais de 200 mil chineses e japoneses envolveram-se na guerrilha.

Durante a Segunda Guerra, a Coréia foi invadida pelos japoneses e Kim Il Sung foi obrigado a partir para o exílio na União Soviética. Em 1945, a Conferência de Yalta permitiu que tropas soviéticas e americanas se instalassem na Coréia, dividindo o país em duas partes. O governo provisório da Coréia do Norte ficou a cargo de Kim Il Sung. Em 1948 a União Soviética estabeleceu a República Democrática Popular na Coréia do Norte.

Oficialmente líder do Partido dos Trabalhadores Coreano, Kim Il Sung na realidade teve poder quase total sobre o país, exercendo papel similar ao de Mao Tsé Tung, na China. Entre 1950 e 1953 Kim liderou os norte-coreanos na guerra contra a Coréia do Sul, protegida pelos Estados Unidos e pelas Nações Unidas. Após o acordo de paz entre as duas Coréias, Kim Il Sung intensificou um governo ditatorial baseado no culto à personalidade. Passou a ser tratado como "Grande Líder", enquanto seu filho Kim Jong-il, designado como seu sucessor, passou a ser "Estimado Líder".

Kim Il Sung desenvolveu também uma filosofia de massas chamada "Juche", que significa auto-suficiência, verdadeira religião oficial. Morreu em 1994, aos 82 anos, vítima de uma parada cardíaca. Quatro anos depois seu filho Kim Jong-il, atribuiu-lhe o título de "presidente eterno".

O regime comunista ainda em vigor na Coréia do Norte resultou numa imensa estagnação econômica que tem deixado a maior parte da população do país na miséria e a fome é um dos grandes males do país. Os recursos financeiros do Estado são carreados para a área militar, inclusive com o desenvolvimento de armas nucleares. Estas e a possibilidade de se usá-las na Coréia do Sul ou mesmo no Japão impedem uma intervenção norte-americana ou internacional no país e garante a sustentação do regime.