Pintor francês

Nicolas Poussin

15 de junho de 1594, Andelys (França)<br>19 de novembro de 1665, Roma (Itália)​





Autor Da Página 3 Pedagogia & Comunicação




  • [creditofoto]

    Na França Nicolas Poussin (auto-retrato) é um mito nacional

    Na França Nicolas Poussin (auto-retrato) é um mito nacional

Nicolas Poussin nasceu em Villers, perto de Andelys, Normandia, em 15 de junho de 1594, e morreu em Roma, Itália, a 19 de novembro de 1665. Filho de lavradores, seguiu para Paris no ano de 1612, em busca de formação artística. Lá, trabalhou com vários artistas maneiristas e estudou as coleções reais de pintura, gravura e escultura.

Depois de trabalhar com o pintor Philippe Champaigne na decoração do Castelo de Luxembourg, tenta, em duas ocasiões, partir para Roma, onde finalmente chega no ano de 1624. Ali, aperfeiçoa sua técnica com o estudo da anatomia e da perspectiva. Sob a proteção do cardeal Barberini, executa grande número de obras.

A convite de Luís 13 retorna a Paris, onde pinta cenas da vida de Hércules para o Louvre. Mas, devido a intrigas da corte, voltou à Itália, fixando-se definitivamente em Roma.
 

Rigor geométrico

Poussin cria obras de grande rigor formal, procurando enredos na Bíblia e na mitologia. Sua pintura é clássica, cartesiana, apresentando também certo vigor barroco. Influenciado por Ticiano, assimila características românticas e poéticas que se refletem nas obras "Pastores da Arcádia" e "Inspiração do poeta".

Depois, toma Rafael como modelo e desenvolve um estilo no qual predominam o equilíbrio, a simetria, a razão. Usa mitos da Antiguidade para exprimir verdades morais, exaltando heróis que rejeitam o vício em favor da virtude.

Poussin cultiva um estilo austero, calculado, dividindo suas telas com rigor geométrico. As figuras humanas são quase sempre secundárias, servindo de pretexto para a criação de paisagens elaboradas, nas quais os elementos naturais são ordenados com a precisão de uma arquitetura.

Libertando-se aos poucos das influências maneiristas que marcam suas primeiras obras, Poussin simplifica suas formas e seu traço torna-se mais conciso. Em suas paisagens, o pintor exprime um mundo ideal, recompondo elementos dos arredores de Roma e utilizando ruínas e figuras humanas.

Na série de pinturas intitulada "Funerais de Fócio", o elemento humano é reduzido para criar um universo amplo e harmonioso. De suas paisagens, vale citar as pinturas "Paisagem com serpente" e "As quatro estações".
 

Mito nacional francês

Os temas que Poussin aborda, assim como seu estilo preciso e cuidadoso, fazem dele o representante máximo da concepção racionalista e normativa que nasceu com o advento do Absolutismo. Na França, ele é considerado, até hoje, um mito nacional.

O classicismo de Poussin criaria uma escola própria, o poussinismo, e surgiria novamente com Jacques-Louis David, no final do século 18. As qualidades formais e abstratas de Poussin reapareceriam em Ingres e influenciariam todo o neoclassicismo europeu. Sua visão harmônica da natureza seria admirada por Cézanne.
 

Enciclopédia Mirador Internacional

UOL Cursos Online

Todos os cursos