Topo

Biografias


Vital Brasil Cientista brasileiro

28/4/1865, Campanha (MG)

9/5/1950, Rio de Janeiro (RJ)

Da Página 3 - Pedagogia & Comunicação

2005-08-10T14:07:00

10/08/2005 14h07

"Em contato constante com a gente do povo, tive oportunidade de verificar a confiança que depositavam nos "curadores de cobra", como chamavam os caboclos que tratavam, por meio de raízes, os acidentados por serpentes. Talvez houvesse uma substância comum nos vegetais que explicasse a proclamada ação curativa. Resolvi examinar a questão. (...) Montei pequeno laboratório. Tratei de adquirir uma serpente venenosa, uma cascavel. (...) Começou minha aprendizagem. (...) Tive de vencer a mim mesmo, ao medo inato das serpentes."

Com as palavras acima, Vital Brasil recriou suas primeiras experiências científicas, que resultaram na criação do soro anti-ofídico, medicamento que salvou milhares de vidas.

Vital Brasil nasceu de uma família de proprietários de terras, no sul de Minas Gerais. Teve sete irmãos. Em 1886 ingressou na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro. Concluiu o curso de medicina em 1891. No ano seguinte casou-se com Maria da Conceição Filipina de Magalhães, com quem teria nove filhos.

Começou a trabalhar como inspetor de saúde pública do Estado de São Paulo, combatendo várias epidemias de febre amarela, varíola e cólera. Em 1896, mudou-se para Botucatu, iniciando sua prática clínica no atendimento de vítimas de picadas de cobras.

Em 1897 mudou-se para São Paulo, e começou a trabalhar no Instituto Bacteriológico, dirigido por Adolpho Lutz. No ano seguinte, Lutz sugeriu ao governo do estado de São Paulo a criação do Instituto Soroterápico, futuro Instituto Butantã, para ser dirigido por Vital Brasil. A inauguração oficial aconteceu em 1901.

Em 1913 faleceu sua esposa e uma de suas irmãs, Acácia Sensitiva de Caldas, encarregou-se de dirigir a casa e cuidar da educação das crianças. Acácia era casada com Manoel Carneiro, que trouxe do Paraná várias sobrinhas para criar. Duas delas casaram-se com filhos do dr. Vital, e uma terceira, Dinah, viria a tornar-se a segunda esposa de Vital Brasil.

Em 1919, por motivos políticos, Vital Brasil deixou São Paulo e foi para Niterói, onde construiu o Instituto de Higiene, Soroterapia e Veterinária, atual Insituto Vital Brasil.

Em 1920 casou-se com Dinah Carneiro Viana, 30 anos mais nova que ele, com quem teria mais nove filhos. Seu último filho nasceu quando o cientista tinha 70 anos.

Vital Brasil foi reconhecido como um dos maiores cientistas brasileiros. Foi membro da Academia Brasileira de Medicina e escreveu duas obras: "A Defesa contra o Ofidismo" e "Memórias do Instituto Butantã". Graças às suas pesquisas foi criado o soro antiofídico, fundamental no tratamento de picadas de cobras.

Faleceu aos 85 anos, em sua residência, na praia do Flamengo.