PUBLICIDADE
Topo

Wilhelm Reich Psicanalista austríaco

24/3/1897, Dobryzcynica, Áustria (hoje parte da Polônia)

3/11/1957, Lewisburg, EUA

Da Página 3 Pedagogia & Comunicação

30/07/2005 13h24

"A vida brota de milhares de fontes vibrantes, entrega-se a todos que a agarram, recusa-se a ser expressa em frases tediosas, aceita apenas as ações transparentes, as palavras verdadeiras e o prazer do amor." Com mensagens como essa, Reich, teórico controvertido, conquistou seguidores no mundo inteiro.

Wilhelm Reich vinha de uma família de judeus não-praticantes. Foi educado em casa até os 13 anos, quando a mãe suicidou-se. Três anos depois, perdeu o pai. Em seguida, durante a Primeira Guerra Mundial, teve a casa invadida pelo Exército russo. Depois, alistou-se no Exército austríaco, chegando ao posto de tenente.

Em 1918, com o fim da guerra, matriculou-se na Universidade de Viena para estudar medicina. Em 1920, foi aceito pela Sociedade Psicanalítica de Viena, sob o comando de Sigmund Freud. Dois anos depois, tornou-se médico.

Entre 1922 e 1924, estudou neuropsiquiatria no Hospital Universitário de Viena, com o professor Wagner Jauregg (que depois ganharia um Prêmio Nobel de Medicina).

Em 1922, casou com uma assistente, Annie Pink (eles teriam duas filhas).

Em 1927, publicou "A Função do Orgasmo" e, dois anos depois, "Materialismo Dialético e Psicanálise". Mudou-se para Berlim em 1930. Naquela cidade, ingressou no Partido Comunista Alemão (do qual seria expulso em 1933).

Nos anos 1930, afirmou ter descoberto o "orgônio", a substância vital presente na energia sexual. Em 1932, separou-se de Annie e passou a viver com a bailarina Elsa Lindeber. No ano seguinte, publicou "Análise do Caráter" e "Psicologia de Massas do Fascismo". Então, fugindo do nazismo e da perseguição aos judeus, foi morar e trabalhar na Escandinávia.

Em 1934, determinado a descobrir a materialidade da libido, a energia sexual, passou a desenvolver o projeto "Bions". No ano seguinte, em Oslo (Noruega), realizou pesquisas no Instituto de Biofísica e proferiu palestras na Universidade.

Em 1939, separou-se de Elsa e foi viver com Ilse Ollendor (os dois teriam um filho). No mesmo ano, mudou-se para os EUA.

Em Nova York, trabalhou como professor associado de psicologia clínica na New School for Social Research. Criou uma máquina, o "acumulador de orgônio". Em 1941, o FBI o prendeu por atividades subversivas.

Mudou-se para o estado do Maine em 1944 e construiu ali uma casa, dando-lhe o nome "Orgonon". O FBI, então, investigou o tal acumulador de orgônio, e Reich precisou defender-se nos tribunais.

Em 1948, seus seguidores criaram a Fundação Wilhelm Reich, para preservar o pensamento, as atividades e as obras do psicanalista. Entre aquele ano e 1957, Reich foi perseguido pela FDA (a agência do governo americano que regula gêneros alimentícios e medicamentosos), sendo acusado de fraude.

Em 1957, foi condenado a dois anos de prisão e teve todas as suas obras proibidas. Em dezembro do mesmo ano, um ataque cardíaco o matou na prisão.