PUBLICIDADE
Topo

Zé do Caixão Diretor, produtor, roteirista e ator brasileiro

13/03/1936, São Paulo (SP)

Da Página 3 Pedagogia & Comunicação

13/08/2005 15h12

José Mojica Marins foi o primeiro cineasta a produzir filmes de horror no Brasil. Com base na improvisação e enfrentando a falta de recursos técnicos, Zé do Caixão, como ficou conhecido, fez cerca de 30 filmes, alguns de aventura, comédias e até pornochanchadas. Atraído pelo cinema e pelo teatro desde cedo, aos 17 anos fundou, com a ajuda de amigos, o estúdio Companhia Cinematográfica Atlas (depois Companhia Cinematográfica Apolo), no bairro do Brás, onde dava aula de cinema e fazia testes, utilizando animais vivos, como aranha e ratos, em cenas de terror.

Após alguns filmes amadores realizados em 16 mm, ainda mudos; e um 35 mm, sonoro mas inacabado ("Sentença de Deus"), fez seu primeiro longa metragem: "A Sina de Aventureiro" (1957), um faroeste em cinemascope. A seguir veio "Meu Destino em Suas Mãos" (1961). Encarnando o personagem Zé do Caixão, uma mistura de Exu, bruxo, justiceiro e psicopata, com barba, unhas enormes, capa preta e cartola, realizou, como diretor e ator, o filme "À Meia-noite Levarei tua Alma" (1964). Algumas das obras que se seguiram foram: "Esta Noite Encarnarei no teu Cadáver" (1967), "O Estranho Mundo de Zé do Caixão" (1968) e "O Despertar da Besta" (1968), considerado seu melhor trabalho.

Nos anos 1970 teve seus filmes censurados. Na década seguinte, caído no esquecimento, entrou para a pornochanchada, realizando o filme "24 Horas de Sexo Ardente" (1984), "48 Horas de Sexo Ardente" (1986) e "Dr. Frank na Clínica das Taras" (1987).

Descoberto pela crítica internacional, foi elogiado nas páginas das revistas norte-americanas Cult Movies e Billboard e da francesa Cahiers du Cinema. Sua obra cinematográfica, de fato, merece destaque pelo que tem de mambembe, de circense e da tradição da cultura popular brasileira, tudo isso transposto - sem a menor cerimônia - para a linguagem cinematográfica.

Em 2008 lançou "Encarnação do Demônio" que encerra a trilogia iniciada com "À Meia-noite Levarei tua Alma" e "Esta Noite Encarnarei no teu Cadáver". Com este filme participou do Festival de Veneza desse mesmo ano, na mostra fora de competição.