Topo

Mamíferos: Diversidade e capacidade de adaptação

Carlos Roberto de Lana

Qualquer um que observasse a corrida da evolução cem milhões de anos atrás e tivesse que apostar no sucesso de algum grupo de espécies, dificilmente colocaria suas fichas nos mamíferos. Se hoje a zebra é um conhecido mamífero, na época os mamíferos eram uma grande zebra...

Afinal, no mundo dos tiranossauros e velociraptores, os mamíferos não passavam de lanchinhos rápidos à disposição dos terríveis predadores. Só que o tempo passou, os dinossauros também e aqueles bichinhos peludos, que estavam sempre fugindo ou se escondendo de algum réptil, se deram bem.

Da África ao Ártico

Quando viram o terreno livre, os mamíferos se espalharam por todo o planeta e se adaptaram a todos os ambientes. Das tórridas savanas da África às gélidas paisagens do Ártico, os mamíferos ocuparam terras, oceanos, rios e os próprios ares.

A razão desta adaptabilidade única entre os vertebrados, com similar próximo, mas não alcançado, nas aves, reside nas características típicas dos mamíferos - animais cordados, de sangue quente, cobertos por pelos, cujas fêmeas são capazes de produzir o alimento de seus filhotes, o leite.

Mamíferos, claro, são animais que mamam quando pequenos, uma tremenda vantagem evolutiva, uma vez que as mamães mamíferas são capazes de transformar suas reservas de gordura em alimento para os filhotes, garantindo a sobrevivência deles em condições de escassez de alimentos. Coisa que nenhum outro animal, vertebrado ou invertebrado, tem condição de fazer.

Animais de sangue quente

Além disso, como se disse, os mamíferos são animais de sangue quente, ou homeotérmicos, o que quer dizer que sua temperatura corporal é constante e não depende da temperatura externa.

Isto permite que os mamíferos habitem regiões nas quais os répteis em geral não sobreviveriam, uma vez que estes animais precisam aquecer-se ao sol para obter a energia necessária às suas atividades físicas. É por isso que existem ursos polares, mas não existem lagartos polares.

Nas águas e nos ares

A grande maioria dos mamíferos é terrestre, mas baleias, golfinhos e mamíferos fluviais como o peixe-boi representam bem o grupo pelas águas do mundo.

E se aves e insetos são mais comuns no céus, há pelo menos uma ordem de mamíferos representando a classe junto aos alados, os quirópteros, nome de família dos conhecidos, e nem sempre queridos, morcegos.

Existem por volta de 4.600 espécies de mamíferos, cuja diversidade pode ser constatada numa rápida olhada em algumas de suas principais ordens:

Ordem Monotremataornitorrinco, equidna
Ordem Dasyuromorphiadiabo da Tasmânia
Ordem Diprotodontiacoala, canguru
Ordem Xenarthrapreguiça, tatu, tamanduá
Ordem Chiropteramorcego
Ordem Primatalêmur, macaco, chimpanzé, mico, homem
Ordem Rodentiarato, hamster, esquilo, porco-espinho, castor
Ordem Lagomorphalebre, coelho
Ordem Insectivoramusaranho, toupeira, ouriço
Ordem Carnivoracão, lobo, felinos, urso, doninha, foca, morsa
Ordem Artiodactylaporco, veado, boi, bode, ovelha, camelo
Ordem Cetaceabaleia, golfinho
Ordem Perissodactylacavalo, anta, rinoceronte
Ordem Proboscideaelefante
Ordem Sireniapeixe-boi

 

Carlos Roberto de Lana <b>*Carlos Roberto de Lana</b> é engenheiro químico e professor.

Mais Biologia