Ciências

Certificação ambiental: Certificação garante origem dos produtos

Alice Dantas Brites, Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação

Cada vez mais as pessoas se conscientizam da necessidade de proteger o meio ambiente e de buscar formas de estimular o desenvolvimento econômico e social sem prejudicar a natureza. Ao conjunto de atitudes, técnicas, leis e projetos que têm como objetivo promover o desenvolvimento sem degradar o ambiente dá-se o nome de desenvolvimento sustentável.

O desenvolvimento sustentável refere-se ao uso dos recursos naturais de forma a respeitar seus limites e o seu tempo de recuperação, para que seja possível usufruí-los sem esgotá-los.

Esta nova forma de enxergar o mundo já está chegando às grandes empresas e fábricas. As preocupações ambientais e a pressão da população por demonstrações de respeito à natureza tornam cada vez mais comum que as grandes organizações passem a adotar estratégias sustentáveis de produção. É nesse cenário que surgem termos como "mercado verde" ou "produtos verdes" e também a certificação ambiental

 

'Produtos verdes'

Os chamados "produtos verdes" são aqueles desenvolvidos de forma a minimizar os impactos ambientais de sua fabricação. Isso indica que a fábrica que produz um "produto verde" toma uma série de cuidados, como, por exemplo, se preocupar com a origem do produto, com a emissão de gases poluentes durante sua fabricação e, em muitos casos, até mesmo com a embalagem na qual ele é vendido.

Para essas empresas, o envolvimento com o mercado verde também é uma estratégia de propaganda. Isso porque a crescente conscientização ecológica da população faz com que os consumidores busquem e optem cada vez mais por produtos ou empresas que demonstrem preocupações ecológicas.

Imaginando uma situação bem exagerada, fica fácil entender essa preferência. Se pudéssemos escolher, na prateleira de uma loja, entre um produto cuja fábrica desmatou uma grande área da Mata Atlântica durante sua fabricação e um outro similar, mas que foi fabricado a partir de matéria-prima de reflorestamento, qual dos dois escolheríamos?

 

Certificação ambiental

Mas como podemos saber como foi realizada a fabricação de um produto? E como as empresas e fábricas podem saber como produzir suas mercadorias sem agredir o meio ambiente? É aí que entra a certificação ambiental.

As organizações que realizam a certificação fornecem instruções e normas para que a produção seja realizada de maneira sustentável, e avaliam constantemente se elas estão sendo seguidas. Em caso positivo, a organização fornece um selo que comprova a origem do produto. Porém, este é um processo constante e que deve ser realizado periodicamente.

Assim, uma empresa, ao conseguir o selo de certificação deve, nos anos seguintes, continuar a seguir as recomendações da agência certificadora, para continuar a receber o certificado. Existem vários tipos de certificações. Vamos conhecer duas delas, a certificação de orgânicos e a certificação florestal.

 

Certificação de orgânicos

A certificação de produtos orgânicos garante ao consumidor que o produto que ele está levando para casa foi produzido sem a adição de produtos químicos, como agrotóxicos e conservantes. Além disso, a certificação também garante que o produto foi produzido segundo uma agricultura sustentável, ou seja, que respeita o ambiente e os processos ecológicos envolvidos em sua produção.

Dois exemplos de organizações que realizam a certificação de produtos orgânicos no Brasil são o Instituto Biodinâmico (IDB) e o Ecocert. O IDB certifica não só produtos agrícolas, mas também processos de industrialização de alimentos, pecuária, piscicultura, silvicultura, entre outras atividades.

O Ecocert, além de certificar produtos agrícolas, também atua na área da certificação de cosméticos orgânicos. Cosméticos orgânicos utilizam ingredientes de origem natural e são obtidos através da agricultura orgânica.

 

Certificação florestal

A certificação florestal assegura que a extração de produtos florestais, como madeira, frutos e sementes, seja feita de forma correta, dentro das leis e de forma a não esgotar os recursos naturais da floresta. Além disso, também garante que a exploração dê lucro para as comunidades tradicionais que vivem na floresta e que a comercialização dos produtos ocorra de forma justa, seguindo os direitos sociais e trabalhistas.

A principal organização que realiza a certificação florestal no Brasil é o Conselho Brasileiro de Manejo Florestal (FSC-Brasil). O FSC realiza dois tipos de certificação: da floresta e do produto. A certificação da floresta garante que o produtor está utilizando a floresta de maneira sustentável e responsável.

A certificação de produto, também chamada de "certificação de cadeia de custódia", garante que o produto teve origem em uma floresta certificada. Este tipo de certificação é necessário, pois, muitas vezes, o produto passa por vários compradores ou é transformado em outro até chegar ao consumidor final. Assim, pode-se garantir, por exemplo, que um móvel foi fabricado com madeira proveniente de florestas certificadas.

Agora, da próxima vez que você for ao supermercado ou a alguma loja e ver o selo destas organizações, já saberá o que eles significam e poderá ter a certeza de que sua produção foi realizada de forma sustentável, sem agredir o meio ambiente.

Alice Dantas Brites, Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação é professora de biologia.

UOL Cursos Online

Todos os cursos