Topo

Pesquisa escolar

Ciências


Efeito estufa - Emissão excessiva de gases aumenta temperatura da Terra

Mariana Aprile, Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação

Você já viu uma estufa? É uma casinha de vidro, cheia de plantas dentro. Ela é muito utilizada em países onde o inverno é frio, para o cultivo de frutas, raízes, verduras e flores. Por ser de vidro, a casa permite a entrada dos raios solares, mas não deixa o calor sair. Assim, o seu interior fica quentinho, mesmo quando o clima esfria bastante.

A mesma coisa acontece quando se deixa o carro estacionado sob o Sol. Quando o motorista volta e abre a porta do veículo, sai o maior bafo quente - isso acontece porque o vidro aprisiona o calor dentro do carro.

No fenômeno chamado de "efeito estufa", os gases presentes na atmosfera, como o dióxido de carbono, o vapor de água, e o metano fazem o papel do vidro. Eles permitem que a radiação do Sol penetre na Terra, mas evitam que parte do calor saia.

Uma porção da radiação solar é absorvida pela natureza, e outra é liberada. Graças ao efeito estufa da atmosfera terrestre, uma boa parte dessa energia solar fica retida na Terra. Não fosse tal fenômeno, a temperatura média de nosso planeta seria de -19°C. Se quiser ter uma noção desse frio, abra o seu freezer e, se ele estiver corretamente regulado na temperatura ideal (de -18°C), você saberá como seria o clima terrestre sem o efeito estufa.

Então, esse fenômeno é uma coisa boa e mantém a vida em nosso planeta, desde que haja um equilíbrio entre a quantidade de calor que entra e a que sai.

  • Contribuição relativa dos gases de atividades humanas para o efeito estufa



         

 

 

 

 

 

 

Desequilíbrio no efeito estufa

O problema do efeito estufa começa quando a atmosfera retém mais calor e, como consequência, aumenta a temperatura da Terra além do normal - é o famoso aquecimento global. Isso acontece por causa da emissão de gases em excesso, através de indústrias e carros, por exemplo.

Os gases responsáveis pelo efeito estufa são liberados naturalmente através de vulcões e incêndios florestais de causas naturais. As atividades humanas caracterizam-se pela emissão de gás carbônico (dióxido de carbono) em grandes quantidades - o gás carbônico é responsável por 57% do efeito estufa.

O metano, por sua vez, produz 12% do aquecimento global, mas também é 25 vezes mais ativo que o dióxido de carbono. Isso significa que uma molécula de metano segura o calor 25 vezes mais do que uma molécula de gás carbônico. A natureza produz um terço dessa substância, enquanto a atividade humana produz dois terços.

 

Clorofluorcarboneto, ou CFC

Mas o pior de todos os elementos que o ser humano joga na atmosfera, por meio de suas ações irresponsáveis, é o CFC (clorofluorcarboneto). Esse gás é utilizado em "sprays" aerossóis, refrigeradores e produção de matérias plásticas. Em alguns produtos foi abolido o uso do CFC, mas, apesar dos avisos dos cientistas, muitos fabricantes insistem em utilizá-lo. Existe um aumento de 5% ao ano dessa substância na atmosfera.

As moléculas de clorofluorcarbonetos são 1.500 vezes mais ativas que o gás carbônico e duram 170 anos na atmosfera. Isso quer dizer que o planeta sentirá sua ação por muito tempo - e nós também, é claro.

Então, com mais dióxido de carbono e metano na atmosfera, há maior retenção de calor -como se o vidro do carro, por exemplo, ficasse mais grosso e, consequentemente, maior quantidade de calor ficasse presa no interior do veículo.

Assim, gradualmente a Terra vai esquentando além do normal e as consequências são desastrosas. Muitos estudos mostram que as calotas polares (o gelo dos pólos norte e sul) estão a derreter e, por isso, o nível dos oceanos sobe ano a ano.

Você já construiu um castelo de areia na praia, perto do mar e a onda fez sua construção desmanchar? Pois é, se o nível dos oceanos continuar a subir, muitas cidades localizadas perto do mar, como o Rio de Janeiro, podem desaparecer, como castelinhos de areia.

Além disso, muitas espécies de plantas e animais podem se extinguir devido ao calor e às mudanças climáticas. Por isso, é importante que se diminua a emissão de gases poluentes na atmosfera.

 

Protocolo de Kyoto

No dia 16 de fevereiro de 2005, após um congresso realizado na cidade japonesa de Kyoto, entrou em vigor um tratado internacional assinado por diversos países desenvolvidos que assim se comprometeram a diminuir a emissão de gases responsáveis pelo efeito estufa. Segundo o Protocolo de Kyoto, esses países devem acionar planos que contribuam para que a emissão dos gases estufa decresça.

Dentre esses planos, estão a reforma dos setores de energia e de transporte, uso dos recursos energéticos renováveis (energia solar e eólica, por exemplo), e a proteção às florestas e outros ecossistemas que absorvem os gases poluentes (as florestas absorvem uma parte do gás carbônico).

Os Estados Unidos, entretanto, se recusaram a assinar o Protocolo. O presidente George W. Bush disse que não assinaria o tratado porque as atitudes propostas iriam afetar a economia de seu país. Mesmo assim, alguns Estados norte-americanos, como a Califórnia, passaram a investir em pesquisas para diminuir a emissão de gases estufa de forma que o impacto na economia seja o menor possível.

 

Como ajudar a Terra

Existe uma frase que diz "pense globalmente, e aja localmente". Você já deve ter pensado que suas atitudes não fazem diferença para a Terra, já que se trata de apenas um indivíduo entre os 6,5 bilhões de habitantes no planeta. Mas pasme: você faz uma diferença enorme, porque é parte desse número gigante de pessoas e pode se comunicar com vários outros. Se cada um agir conscientemente, logo serão milhões de pessoas a lutar contra o problema.

Assim, se por exemplo, você preferir andar de bicicleta no parque com seus amigos, ao invés de passear de carro, menos gás poluente será jogado na atmosfera. Se falar aos seus parentes e amigos sobre esse problema, serão mais pessoas cientes do efeito estufa que poderão evitar andar de carro para destinos próximos (como ir à padaria, por exemplo). E ainda, as pessoas que você convencer farão o mesmo com outras.

Assim, quanto mais gente agir de forma consciente, maiores serão as chances de diminuir o efeito estufa. A sociedade deve cobrar que sejam desenvolvidas e implantadas tecnologias mais limpas nas indústrias e que políticas específicas sejam elaboradas para dar conta desse enorme problema.

Mariana Aprile, Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação é estudante de biologia da Universidade Presbiteriana Mackenzie e bolsista do CnPq. <a href=mailto:pagina3@pagina3ped.com>pagina3@pagina3ped.com</a>

Mais Ciências