Ciências

Gerbo da Mongólia: Características desse animal de estimação

Mariana Aprile, Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação

Conhecidos como ratos-do-deserto, gerbos ou esquilos da Mongólia, esses pequenos roedores - pesam entre 80 e 100 gramas - pertencem a uma família diferente, só sua e não são ratos nem esquilos.

O nome científico dos gerbos da Mongólia, Meriones unguiculatus, significa pequeno guerreiro com garras. Ele pode ser criado como animal de estimação, por conta de seu temperamento pacífico e sociável.

Os gerbos têm sua origem no norte da África, na Turquia, no noroeste da Índia e na Ásia Central.

 

Detector de drogas

Donos de um faro aguçado, esses roedores passaram a ser utilizados para detectar drogas, em bagagens nos aeroportos e em revistas a visitas de prisioneiros na cadeia de Toronto, no Canadá. Hoje, o gerbo está entre os animais de estimação mais procurados nos Estados Unidos - e começa a ser popular entre os brasileiros.

O habitat do gerbo da Mongólia é o deserto, ou seja, quente e seco durante o dia e frio de noite. Por isso, ele desenvolveu a capacidade de produzir pouca urina e suor - para evitar a perda de água.

 

Gerbos ouvem tudo

O gerbo tem orelhas pequenas e pêlos na cauda, para melhor conservar o calor. Sua audição é capaz de captar o bater das asas de uma coruja, a ave mais silenciosa que existe, pois seu ouvido interno é bem desenvolvido.

Em ambiente selvagem, os gerbos vivem em famílias de até 20 indivíduos, liderados por um macho e uma fêmea, chamados pelos cientistas de casal alfa. Apenas esses procriam no grupo.

Todos esses roedores são escavadores talentosos: eles usam as patas dianteiras, curtas, para cavar, e suas longas patas traseiras jogam a areia longe.

 

Tocas dos gerbos são cheias de câmaras

Os gerbos cavam várias câmaras em suas tocas. Elas servem para armazenar comida, dormir, e fazer as suas necessidades. As tocas têm mais de uma saída, para o caso de ser preciso escapar de predadores, como as cobras.

Asseados, gostam de tomar "banho": eles rolam na areia para retirar a sujeira de seus corpos. A limpeza, para os gerbos é, além de um ato de higiene, uma forma de estabelecer uma ligação social.

Ao contrário de seus primos hamsters, que se limpam sozinhos, os gerbos limpam e penteiam uns aos outros. Na natureza, o dominante sempre penteia o submisso e, assim, afirma a sua superioridade sobre ele.

 

Não molhe o gerbo

Os machos costumam alisar os pêlos da barriga de uma fêmea prenha. Por serem animais tão sociáveis, recomenda-se ter sempre mais de um gerbo como mascote - do contrário, esses animais ficam estressados e infelizes.

Quem deseja ter um gerbo de estimação jamais deve molhá-lo, pois ele pode ficar com doenças respiratórias. Quanto à alimentação, os gerbos adoram sementes, raízes, folhas, frutas e, de vez em quando, comem insetos.

 

Sapatear para comunicar

Para se comunicar, os gerbos da Mongólia usam o olfato, algumas expressões faciais e o som de seu sapateado. Quando há sinal de perigo, eles batem suas patas traseiras no chão, num ritmo curioso.

Conforme outros roedores de sua família escutam, eles repetem o mesmo comportamento e, assim, transmitem a mensagem de alerta para todos os membros do grupo. Se, por acaso, um gerbo prova algo saboroso, ele pisca um olho - outro charme que cativa muitas pessoas que adotam esses animais.

Ao contrário de outras espécies de gerbos, o da Mongólia não dorme o dia todo. Eles alternam períodos de vigília e de sono tanto de dia como de noite. E seu tempo de vida vai de dois a cinco anos.

 

Cuidados com o gerbo

Para quem deseja ter um gerbo como animal de estimação, existem cuidados muito especiais a serem tomados, tanto para o bem-estar do roedor, como para os outros habitantes da residência.

Alguns desses cuidados são:

  • Manter a higiene do terrário do gerbo.
  • Evitar o contato de outros animais como cães e gatos com o gerbo, para evitar o estresse do roedor bem como risco de vida.
  • Dar alimentação adequada ao gerbo e usar bebedouros próprios para ele.
  • Não fornecer brinquedos de plástico, pois o gerbo vai roer e poderá ter problemas gastrointestinais.
  • Estar sempre atento a sinais como: focinho vermelho, cauda roída, inchaços - podem ser tumores - e qualquer outro alerta de anormalidade. Nesses casos, deve-se procurar um veterinário.

Mariana Aprile, Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação é estudante de biologia na Universidade Presbiteriana Mackenzie e aluna de Iniciação Científica do Mackpesquisa (PIVICK).pagina3@pagina3ped.com

UOL Cursos Online

Todos os cursos