Geografia

Lixo (2): A coleta e o destino do lixo

Da Página 3 Pedagogia & Comunicação

Ninguém quer viver perto de lixo. Por isso, costuma-se despachá-lo para algum lugar distante. Afinal, a saúde e o bem-estar das pessoas também depende disso. Quem se encarrega de coletar e dar um fim ao lixo nas cidades são os órgãos específicos de que as prefeituras dispõem para isso. Esses órgãos podem pertencer à própria prefeitura ou ainda serem empresas particulares contratadas com essa finalidade.

  • Compactação do lixo em aterro sanitário

Coleta de lixo

É possível classificar os tipos de lixo e é justamente essa classificação que permite criar estratégias para coletá-lo da maneira mais adequada. Inicialmente, pode-se falar na coleta regular que se encarrega de recolher o lixo domiciliar e comercial (produzido em lojas e escritórios).

Em segundo lugar, vem a coleta industrial, relacionada ao lixo produzido pela indústria, com suas caracterísiticas peculiares. Entre elas, deve-se destacar o caráter não-tóxico ou tóxico desse lixo. Isso implica a separação dos dois tipos que terão destinos diversos. Desse modo, as indústrias devem contratar empresas especializadas para coletar o seu lixo.

Em matéria de lixo tóxico, no entanto, destaca-se o lixo hospitalar que requer uma coleta denominada de alto risco. Ela implica a participação de pessoal treinado que recolhe o material jogado fora em hospitais, clínicas médicas, odontológicas, e veterinárias, laboratórios e farmácias. Esse material deve ser incinerado e esterilizado antes de ser encaminhado ao seu destino final.

Risco e seleção

Existe ainda uma coleta de altíssimo risco que se relaciona ao lixo nuclear. Nesse caso, a coleta não é organizada nem realizada pela prefeitura, mas por comissões especiais das próprias usinas, que têm técnicos treinados para lidar com material radioativo e dispõem de instrumentos e roupas protetoras para evitar contaminação.

Nas últimas décadas, em algumas cidades, têm-se organizado a coleta seletiva de lixo. Trata-se de separar o material jogado fora de modo a facilitar sua reciclagem, isto é, o seu reaproveitamento, que pode acontecer de diversas formas. Em geral, os programas de reciclagem separam o lixo, basicamente, de acordo com as seguintes categorias: orgânico, plástico, vidro, papel e latas.

Lixões

Antes de falar da reciclagem, porém, é importante acompanhar o lixo que - até agora - foi somente coletado e conhecer o destino que ele vai ter. No caso brasileiro, 76% do lixo produzido nas cidades é largado em lixões. Trata-se de depósitos a céu aberto, localizados em locais afastados ou periféricos.

Apesar de baratos, os lixões, na verdade, não são a melhor solução. Ao contrário, criam vários problemas, de natureza ambiental e sanitária. Os restos orgânicos e a água acumulada em vasilhames e pneus atraem ratos, baratas, moscas e vermes que são responsáveis pela transmissão de várias doenças.

A esses males, num primeiro momento, estão expostas as muitas pessoas que retiram sua sobrevivência dos lixões, seja catando restos de comidas ou material para reciclagem. Para piorar, além do mau cheiro, a matéria orgânica ali abandonada gera um subproduto tóxico ao se decompor: o chorume, um líquido de cor escura que se infiltra na terra.

Aterros sanitários

Superiores aos lixões são os aterros controlados onde o lixo é compactado e enterrado em valas, o que evita os animais e a dispersão do lixo devido à ação do vento e da chuva. Os aterros sanitários constituem um aprimoramento dos aterros controlados. Neles, as valas são forradas com plástico isolante, a compactação do lixo é maior, bem como a camada de terra que se coloca acima dele.

O chorume e o gás metano - outro subproduto da decomposição do lixo orgânico - são recolhidos e tratados para evitar o mau cheiro e a poluição. Tudo isso, porém, não faz dos aterros sanitários a solução ideal para o lixo: eles não comportam uma quantidade infinita de lixo, nem existe espaço suficiente para que novos aterros sanitários sejam continuamente criados.

Incineração e lixo atômico

A incineração ou queima do lixo, que o reduz a cinzas, diminuindo seu volume, é uma forma de potencializar o aproveitamento do aterro sanitário. É também a forma mais indicada de se lidar com o lixo hospitalar, como já foi dito. No entanto, trata-se de um processo caro, já que envolve métodos tecnológicos sofisticados para evitar que a fumaça tóxica produzida pelo incinerador contamine o ar.

O destino mais problemático, entretanto, é o do lixo atômico: ele não pode ser destruído e a radioatividade pode durar milhares de anos. Atualmente, esse lixo é isolado em compartimentos de chumbo e concreto e enterrado a, no mínimo, meio quilômetro de profundidade.

 

 

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos