História geral

2ª Guerra Mundial (1): Em 1942, conflitos locais se tornam Guerra Mundial

Da Página 3 Pedagogia & Comunicação

A Segunda Guerra Mundial (1939-1945) inspirou e ainda inspira inúmeros livros e filmes. Nesta entrevista, o historiador e escritor Túlio Vilela vai apresentar uma visão geral do episódio, com respostas para algumas das perguntas mais comuns sobre o assunto.



Quando a Segunda Guerra Mundial começou?

Na maioria dos livros, a data escolhida para marcar o início da Segunda Guerra é primeiro de setembro de 1939, quando a Alemanha nazista invadiu a Polônia. No entanto, esta é a data que marca o início da guerra para os europeus, e não para os habitantes de outras partes do mundo, para quem a guerra começou bem antes ou bem depois.



Como assim?

Para os chineses, por exemplo, a guerra pode ter começado em 1932, quando os japoneses invadiram a Manchúria, uma província chinesa rica em carvão e minérios (vale lembrar que o Japão é um país pobre em recursos naturais), ou em 1937, quando o Japão intensificou sua política ofensiva em relação à China, conquistando cidades chinesas como Xangai e Nanquim. Para os soviéticos e norte-americanos, a guerra começou em 1941: quando a Alemanha nazista atacou a União Soviética (22 de junho) e os japoneses atacaram Pearl Harbor, base militar norte-americana no Havaí (7 de dezembro).



Então, na prática, a guerra só se torna mundial a partir de 1942?

Sim. Antes disso, o que tínhamos eram duas guerras independentes: uma guerra europeia que teve início em 1939 e uma asiática que teve início no começo dos anos 1930.



Hitler queria dominar o mundo?

Que Hitler era ambicioso e representava uma ameaça, ninguém duvida. No entanto, afirmar que ele pretendia "dominar o mundo" é um tanto exagerado. Hitler era um ditador cruel, mas não um supervilão de história em quadrinhos (embora na época, aparecesse como vilão em vários gibis de super-heróis como o Capitão-América, o Tocha Humana e o Príncipe Submarino).



Quais eram então as ambições do de Hitler?

Na verdade, suas ambições eram mais modestas (se é que podemos chamar de "modestas" as ambições de alguém que pretendia governar a maior parte de Europa): Hitler queria conquistar o que ele chamava de "espaço vital", que compreendia todos os territórios que, na visão dele, pertenciam ao povo alemão.



O que aconteceria se Hitler tivesse vencido a guerra?

Caso os planos dele tivessem dado certo, teríamos a Alemanha nazista governando a maioria dos países da Europa, com exceção de alguns Estados-fantoches, cujos governos seriam "independentes" mas obedeceriam ordens dos nazistas, e de alguns países que se mantiveram neutros durante a guerra. Teríamos uma superpotência germânica, com um território de dimensões continentais e grandes influência política e econômica sobre as outras partes do globo.



Por que os japoneses na guerra?

O Japão pretendia expandir seu poder conquistando outros países na Ásia e várias ilhas no Oceano Pacífico. Seria uma forma de o Japão compensar as pequenas dimensões de seu território e a escassez de recursos naturais, o que obrigava o país a importar quase tudo o que precisava de matérias-primas. Na época, o país era governado por um grupo de militares extremamente nacionalistas que acreditavam que a guerra era o caminho para o Japão se tornar uma potência respeitada mundialmente.



O panorama sóciopolítico daquela região do mundo ajudava as pretensões japonesas?

Digamos que o panorama mundial ajudou. Nessa ocasião, várias regiões da Ásia e do Oceano Pacífico eram colônias ou possessões europeias, como por exemplo, a Indochina, antigo nome do Vietnã, então uma possessão francesa, a Indonésia, então possessão holandesa, e Cingapura, então possessão inglesa. O Japão queria seguir o exemplo das potências colonialistas europeias. Quando Hitler iniciou sua guerra na Europa, os japoneses encontraram uma oportunidade para transformar essas colônias europeias na Ásia e no Pacífico em colônias japonesas. Assim, enquanto Inglaterra, França e Holanda estavam muito ocupados com os problemas causados pela Alemanha nazista, o Japão aproveitou para conquistar os territórios nos quais estava interessado.



E o ataque a Pearl Harbour? Por que o Japão atacou os americanos?

Os Estados Unidos representavam um obstáculo para a expansão japonesa no Oceano Pacífico. Por isso, os militares japoneses decidiram atacar Pearl Harbour, que era a principal base naval norte-americana no Pacífico.

É verdade que os norte-americanos não esperavam por esse ataque?

As relações entre os dois países já não iam muito bem. Meses antes do ataque, os Estados Unidos impuseram um embargo do fornecimento de petróleo ao Japão como resposta à política expansionista japonesa na Ásia. Antes mesmo do ataque a Pearl Harbor, o governo norte-americano já sabia que uma guerra contra o Japão era apenas uma questão de tempo. Vale lembrar que antes mesmo da entrada oficial dos Estados Unidos na guerra, o governo norte-americano já apoiava a Inglaterra, que estava em guerra contra a Alemanha. O que surpreendeu foi a escolha de Pearl Harbor como primeiro local de ataque.



Por quê?

As Filipinas, na época, um protetorado norte-americano, eram um alvo mais provável, por causa da distância menor em relação ao Japão. Todos os sinais de um possível ataque a Pearl Harbor foram negligenciados, pois foram entendidos como meras missões rotineiras da espionagem japonesa. Há quem acredite que o então presidente Franklin Delano Roosevelt sabia do ataque e deixou tudo acontecer para ter um pretexto para os Estados Unidos entrarem na guerra contra a Alemanha. No entanto, após o ataque a Pearl Harbor, os Estados Unidos declararam guerra somente ao Japão. Pouco depois, "em solidariedade ao Japão", a Alemanha e a Itália declararam guerra aos Estados Unidos.



UOL Cursos Online

Todos os cursos