Português

Serafim Ponte Grande: Livro é manifestação da rebeldia de Oswald de Andrade

Oscar D'Ambrosio, Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação

Escritor, ensaísta e dramaturgo paulistano, Oswald de Andrade (1890 - 1954) foi um dos promotores da Semana de Arte Moderna de 1922 em São Paulo. Considerado o mais rebelde do grupo, compôs "Serafim Ponte Grande" entre 1925 e 1929. O livro, publicado em 1933, é, ao lado de "Memórias Sentimentais de João Miramar", de 1924, um romance de alta inventividade.

A narrativa não tem capítulos, mas 203 fragmentos. Em linhas gerais, pode-se dizer que é um livro de memórias dividido em 11 partes agrupadas em três. Nelas, é possível encontrar de tudo um pouco: personagens que aparecem e desaparecem sem explicação alguma, narração em primeira e em terceira pessoa, cartas, diário de viagem, anotações íntimas, textos teatrais, poemas curtos, abaixo-assinados e um dicionário de bolso que vai até a letra L.
 

Descoberta do erotismo

Na primeira parte, a descoberta do erotismo e o tratamento irreverente do tema é uma das principais características. O elo de ligação são os anos de formação do protagonista, contando sua infância, adolescência e a união com Lalá, a quem desvirginara e com quem fora obrigado a contrair matrimônio. O pano de fundo é a Revolução de 1924, vista com muito senso de humor e ironia.

As viagens de Serafim pela Europa e Oriente, após o seu enriquecimento, concentram a atenção da segunda parte, enquanto na terceira ocorre o retorno ao Brasil, onde se dá a derrocada da utopia da personagem por um futuro melhor. O resultado é marginalidade, amargura e tristeza do protagonista.

Autor dos manifestos da Poesia Pau Brasil e do antropófago, Oswald apresenta marcada influência do psicanalista suíço Sigmund Freud na maneira de tratar o sexo. Serafim Ponte Grande defende os mesmos conceitos do escritor paulistano: obediência aos impulsos carnais, por mais inconvenientes que possam parecer para a sociedade, numa postura que combate todo tipo de repressão judaico-cristã.

 

Narrativa inovadora e caótica

O casamento de Serafim com Lalá, por exemplo, é uma farsa, pois, quando vão para a cama, ambos imaginam que estão com uma estrela de cinema. Não existe nenhum tipo de atração entre ambos. A repartição pública onde o protagonista trabalha também é um ataque à burguesia, com personagens como o traficante de cocaína Birimba e Pinto Calçudo, secretário tão bajulador que, por incomodar Serafim - e ocupar muito espaço na narrativa -, é expulso do romance, retornando mais tarde.

Irônico e sarcástico, Serafim ataca o quartel da polícia, a imprensa e o serviço sanitário. Numa tentativa desesperada para mudar a sociedade, luta contra o conformismo e a hipocrisia burguesa. Calçudo, por sua vez, apossa-se do navio El Durasno e funda uma sociedade utópica com os tripulantes, defendendo a liberação dos impulsos sexuais e o nudismo, como forma de retorno aos instintos mais primitivos.

Extrovertido, provocador e criativo, Oswald de Andrade, com sua linguagem telegráfica e concisa, era um iconoclasta e seus estilos o colocam como uma expressão de vanguarda nos anos 1920 e 1930. Embora integrasse a burguesia paulistana, tem prazer em corroê-la por meio do humor, com capítulos muito curtos, autênticos poemas-pílulas, instituindo uma narrativa inovadora e caótica. Oswald, como costuma acontecer com autores rebeldes, destruía a tradição, embora ainda sem ter exata certeza daquilo que gostaria de propor em troca.

 

Oscar D'Ambrosio, Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação é jornalista, mestre em artes pelo Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista (Unesp), crítico de arte e integra a Associação Internacional de Críticos de Artes (Aica - Seção Brasil).

UOL Cursos Online

Todos os cursos