Topo

Vestibular


Um adolescente de 14 anos tem maturidade para fazer faculdade?

Jadilson Simões/UOL
José Victor Menezes Teles, aprovado em medicina na Federal de Sergipe em 2015 e 2016 Imagem: Jadilson Simões/UOL

Lucas Rodrigues

Do UOL, em São Paulo

2016-01-23T06:00:00

23/01/2016 06h00

José Victor Menezes Teles foi aprovado em medicina na UFS (Universidade Federal de Sergipe) dois anos seguidos -- na primeira aprovação, o sergipano tinha 14 anos e conseguiu na Justiça o direito de cursar a faculdade. Um jovem nessa idade tem maturidade suficiente para enfrentar o ambiente universitário? Na opinião de psicólogos ouvidos pelo UOL, varia de acordo com cada pessoa.

Para Leo Fraiman, mestre em psicologia educacional e do desenvolvimento humano, maturidade não tem relação com idade. "Tem gente com 30 anos que não tem maturidade alguma", afirma. "Agora, se eu cresço numa família que estimulou autonomia, que faz eu arrumar meu quarto sozinho, e fui desenvolvido pela minha escola a ter autodidatismo, posso ter 14 anos e ser uma pessoa plenamente capaz de acompanhar o ensino superior."

Ele acredita que José Victor se dará bem na universidade desde que tenha crescido numa família que o estimulou a ser mais responsável e que sua escola o tenha preparado em relação ao caráter. "Se ele é um garoto tão persistente em seus objetivos, tão determinado numa carreira nobre e importante como medicina, eu diria para a gente refrear o nosso próprio preconceito, entendendo que não há determinismo."

José Victor comentou sobre o assunto em entrevista ao UOL. "É um desafio na minha vida [as aulas no curso de medicina]. A turma é muito jovem e mostra que os jovens vêm conquistando espaço e isso mostra que não devemos julgar pela idade, mas pela maturidade."

Dificuldades

Paulo Motta, professor do Departamento de Psicologia Evolutiva, da Unesp (Universidade Estadual Paulista) em Assis, crê que José Victor possa ter algum tipo de dificuldade por não ter feito o ensino médio.

"Ele pulou a fase do colegial que, a grosso modo, é uma preparação para a universidade, onde tudo acontece de maneira bem mais rápida e inusitada. Talvez isso o choque um pouco", diz. "Se fosse o meu filho eu não deixaria pular essa fase. Acho que cada coisa a seu tempo. Não teria necessidade de ele entrar na universidade agora."

Já para Leo Fraiman, o problema pode ser de socialização. "A gente precisa olhar um indivíduo em relação ao que ele constrói para si. Se ele desenvolveu habilidades cognitivas para passar num vestibular tão concorrido, entendo que ele possa ter apenas dificuldade se não desenvolveu habilidades de relacionamento", avalia. "Mas isso ele vai desenvolver mais cedo ou mais tarde, seja na escola ou na faculdade."

"Não foi sorte"

Em entrevista ao UOL, José Victor afirmou que decidiu prestar novamente o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) em 2015 para provar que sua primeira aprovação na UFS não tinha sido uma "questão de sorte". "O pessoal não disse que foi sorte? Então pensei: vamos ver se essa sorte acontece duas vezes. Ouvia piadas de que passei na sorte. Resolvi fazer e está aí o resultado e com mais intensidade", comentou.

Para Motta, da Unesp, a atitude do garoto pode ser falta de maturidade, mas não é "condenável". "É uma coisa pessoal dele. Se ele havia passado por sorte, ótimo. Vá à luta. O vestibular é tão difícil que um pouco de sorte não faz mal a ninguém."

"Não acho isso ruim. Mostra o caráter dele. É um cara que, provavelmente, sofreu muito por ser novo, diferente. A sociedade ainda é muito cheia de estereótipos e muito cheia de verdades que nem sempre se sustentam", comenta Fraiman. "A distância entre o sonho e a conquista é a atitude. E esse garoto mostrou que tem atitude e parece estar preparado."

Mais Vestibular