PUBLICIDADE
Topo

Reitor da Universidade de Rosário desconhece doutorado de ministro do MEC

Do UOL, em São Paulo

26/06/2020 15h05Atualizada em 29/06/2020 14h25

O reitor da Universidade de Rosário, Franco Bartolacci, afirmou hoje via Twitter não reconhecer o título de doutor do novo ministro da Educação, Carlos Alberto Decotelli da Silva.

Em post de ontem, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou, ao anunciar o economista como o titular da pasta, que Decotelli é bacharel em Ciências Econômicas pela UERJ, Mestre pela FGV, Doutor pela Universidade de Rosário, na Argentina, e Pós-Doutor pela Universidade de Wuppertal, na Alemanha.

"Nos vemos na necessidade de esclarecer que Carlos Alberto Decotelli da Silva não obteve nenhuma titulação de doutor na Universidade Rosário mencionada nesta comunicação", escreveu Bartolacci na rede social, compartilhando o post de Bolsonaro.

Em seu currículo lattes, que foi atualizado hoje, Decotelli afirma que fez doutorado de Administração na universidade argentina entre 2007 e 2009. De acordo com ele, o título da tese defendida foi "Gestão de Riscos na Modelagem dos Preços da Soja" e seu orientador foi Antônio de Araújo Freitas Júnior.

Pró-reitor da FGV (Fundação Getulio Vargas), é o atual presidente da Câmara de Ensino Superior do CNE (Conselho Nacional de Educação), órgão colegiado ligado ao MEC. Seu nome foi um dos ventilados para ocupar o cargo de ministro da Educação após a saída de Abraham Weintraub.

Em seu lattes, Decotelli se apresenta como "ex-presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, autarquia federal responsável pela execução de políticas educacionais do Ministério da Educação - MEC".

"Realizou seu Pós-Doutorado na Bergische Universität Wuppertal, na Alemanha, Doutorado em Administração pela Universidade Nacional de Rosário (Argentina), Mestre em Administração pela FGV EBAPE, MBA em Administração pela FGV/EBAPE/EPGE. Graduado em Ciências Econômicas pela UERJ. Intendente honorário da Marinha do Brasil", acrescenta.

O UOL entrou em contato com a assessoria do MEC para confirmar a informação, mas ainda não obteve retorno.

Na condição de oficial da Marinha, Decotelli é tido como uma nomeação de confiança do núcleo militar do governo. Ao mesmo tempo, é alinhado com o presidente da República em questões ideológicas e se mostra "fiel aos conceitos de guerra cultural", o que pode agradar aos "olavistas" (ala de adeptos do ideólogo Olavo de Carvalho).

Decotelli, primeiro negro a assumir cargo de ministro no governo Bolsonaro, será o responsável por fazer "a conexão da academia" com a gestão que os militares constataram que faltava na gestão Weintraub.

Educação