PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
2 meses

Ministro da Educação nega interferência de Bolsonaro em prova do Enem

Ministro da Educação, Milton Ribeiro, participa de lançamento do programa Educação e Família - Luis Fortes/MEC
Ministro da Educação, Milton Ribeiro, participa de lançamento do programa Educação e Família Imagem: Luis Fortes/MEC

Do UOL, em São Paulo

16/11/2021 14h40Atualizada em 16/11/2021 18h24

O ministro da Educação Milton Ribeiro negou hoje que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) interfira nas provas do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). Ribeiro também disse à CNN Brasil que o Enem deste ano está "garantido". O exame está previsto para ocorrer nos dias 21 e 28 de novembro.

Ontem, no fórum de investimentos em Dubai, nos Emirados Árabes, o chefe do Executivo comentou a demissão em massa de mais de 30 servidores no Ministério da Educação às vésperas do Enem e disse que a prova começa a ter "a cara do governo". As demissões ocorrem em meio a denúncias de censura no conteúdo da prova.

Quero afirmar a todos os estudantes e aos alunos e pais que nos ouvem que o Enem está garantido. As provas foram impressas há meses, já foram encaminhadas. Não há como interferir nem eu, nem o presidente do Inep, nem o presidente da República. Então, essa ideia de que houve interferência é uma narrativa de quem quer politizar a educação.
Milton Ribeiro, ministro da Educação, à CNN Brasil

Questionado, Ribeiro declarou ser necessário perguntar ao presidente o que ele quis dizer quando afirmou que a prova começaria a ter "a cara do governo", mas ponderou diversas vezes que o exame precisa ter questões técnicas e não de "cunho ideológico".

"Essa é uma pergunta que caberia bem a ele [Bolsonaro] responder porque ele nunca me pediu nada, nunca sugeriu nada. Então, eu simplesmente estou aqui para desfazer uma narrativa. Ele falou a 'cara do governo' porque é o nosso governo. Nós temos feito da melhor maneira possível", afirmou.

O ministro comunicou que o Enem deste ano "está garantido" e declarou não ter conhecimento nem mesmo do tema da redação da prova.

Ribeiro também comentou haver "perguntas que não tem cabimento" no exame e que sua reprovação a elas é um reflexo do que a sociedade brasileira pensa também.

"Eu não tenho acesso, não influi, nem tampouco o presidente influiu nas questões que nós estamos fazendo referência [como inadequadas]. É claro não sou eu que penso assim, nem o presidente. A maioria da população brasileira quando ela ouve algumas questões que são feitas, elas têm certeza que aquilo não deveria estar ali [no Enem]."

Ribeiro ainda confirmou na entrevista que o Fies (Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior) e o ProUni (Programa Universidade para Todos) serão reeditados pelo governo Bolsonaro. Dizendo que "nem tudo são flores", o responsável pela pasta informou, segundo seus cálculos, que ao menos 50% dos estudantes com Fies não estão pagando o financiamento de seus cursos superiores.

Em agosto, o ministro da Educação disse que não adianta a busca por um diploma universitário — inclusive através de programas de financiamento como o FIES — se os alunos terminam os cursos e ficam endividados "porque não tem emprego". Assim como nesta ocasião, Ribeiro voltou a defender hoje a ampliação do ensino técnico profissionalizante no país.

Convocação

A presidente da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, professora Dorinha (DEM-TO), disse hoje que o ministro da Educação, Milton Ribeiro, será chamado para prestar explicações sobre o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) e o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira).

Em entrevista à GloboNews, Dorinha explicou que a comissão se reunirá amanhã e deve aprovar o pedido de comparecimento do ministro ao órgão. A deputada disse também que só não está definido ainda se Ribeiro será convocado ou convidado.

Quando um ministro é convocado a ir ao Congresso, ele é obrigado a comparecer. Já no caso do convite, a participação é facultativa.

Ribeiro comentou a possível ida à Câmara e se disse "à disposição" do Congresso brasileiro.

"Eu não tenho nenhum problema de ir à Câmara. Eu acho que a Câmara está fazendo o seu papel legítimo de ser fiscal do poder Executivo. Eu não tenho nenhuma dificuldade, tanto é que eu fui convocado por uma questão burocrática, mas geralmente às vezes que eu vou à Câmara, eu vou como convidado. E eu vou lá na hora que a Câmara me convocar ou me convidar. Estou à disposição."