Reitor da USP escolhido por Alckmin quer diversificar fontes de receita

Victor Vieira

São Paulo

  • Bruno Poletti/Folhapress

    Reitor da USP Vahan Agopyan

    Reitor da USP Vahan Agopyan

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) escolheu nesta segunda-feira, 13, o professor da Escola Politécnica Vahan Agopyan como o novo reitor da Universidade de São Paulo (USP) entre o ano que vem e 2022. Atual vice-reitor, ele havia sido o mais votado em eleição interna na instituição feita em outubro. Entre as principais propostas de Agopyan, estão aproximar a USP, a mais importante instituição de ensino superior do País, da sociedade e diversificar as fontes de receita da instituição, destaca o jornal O Estado de S. Paulo.

Agopyan assume a universidade, com orçamento de cerca de R$ 5 bilhões, ainda em recuperação de da sua pior crise financeira dos últimos 30 anos. "Temos certeza de que o risco maior já passou, mesmo com dificuldades financeiras que vão persistir. Vamos continuar lutando para manter a universidade como pública, gratuita e de qualidade, cada vez mais inserida na sociedade", afirmou o futuro reitor ao Estado.

Candidato da situação, Agopyan sucede o médico Marco Antonio Zago à frente da USP, após um mandato de medidas de austeridade, com planos de demissão voluntária de servidores e congelamento de obras, o que motivou críticas internas. A instituição ainda luta para equilibrar as finanças: gasta 98% do que recebe do Estado com a folha de pagamento de professores e funcionários.

Para ele, é preciso manter o rigor financeiro e diversificar as fontes de receita da USP - que tem a maior parte de seu orçamento composta por uma cota de 5,02% da arrecadação estadual de ICMS. Uma saída, por exemplo, é a USP oferecer apoio técnico a municípios, Estado e União - como na formulação de políticas governamentais - e ser ressarcida por isso. "Temos de ser mais proativos."

Outra reivindicação é elevar o teto salarial. Pela constituição estadual, o professor da USP não pode ganhar mais do que o governador (R$ 21,6 mil). Já nas federais, o texto é de 90% da remuneração do ministro do Supremo Tribunal Federal (R$ 33,7 mil). "O docente que faz uma carreira normal atinge o teto em 20, 25 anos. Isso desmotiva."

Sobre as cotas, não crê em recuo de qualidade. "O alunado que está entrando não é pior. É tão competente e talentoso quanto os outros. Não teve oportunidade de ser treinado como os outros." A ideia, diz, é intensificar ações de apoio, como cursos online de reforço. "Para a formação, é bom conviver com a diversidade."

Perfil

Agopyan é docente da USP desde 1975. Antes de ser vice, foi pró-reitor de Graduação na gestão João Grandino Rodas, de 2010 a 2014. Mas, na sucessão, ele e Zago fizeram oposição a Rodas. O novo vice é o atual pró-reitor de Graduação, Antonio Carlos Hernandes. A posse deve ocorrer em janeiro.

"Vou desejar a eles um ótimo trabalho à frente de uma universidade que é um orgulho do Brasil, reconhecida internacionalmente", disse Alckmin ontem, em vídeo nas redes sociais.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos