Bacia do São Francisco: Principal fonte de água do Nordeste

Claudio Mendonça

A Bacia do São Francisco tem presença marcante na história do território brasileiro. Foi através do São Francisco que ocorreu a ocupação das terras mais distantes do litoral.

O "Velho Chico" corre por paisagens muito diferentes. Em sua nascente e foz o rio recebe muita água das chuvas, mas, na maior parte do seu curso, flui por áreas secas do sertão nordestino e mineiro. Daí a sua importância para a população sertaneja que vive perto da sua margem.

Clique no mapa para ver os rios que compõem a bacia do São Francisco:

rios da bacia sao francisco

Além da pesca, bastante comprometida com a construção de barragens para a produção de energia, as margens do São Francisco garantem à população sertaneja a prática da agricultura de subsistência. É a agricultura de vazante (época que o rio tem menos água). As margens são invadidas pelo rio na época da cheia e nela é depositado o húmus que mantém os solos férteis. Quando chega a estiagem (período mais seco) é feito o cultivo e a colheita é programada antes da nova cheia. Esse ciclo se repete a cada ano.

O médio curso, bastante plano, sempre permitiu uma navegação natural do porto de Pirapora em Minas Gerais até Juazeiro (Bahia) e Petrolina (Pernambuco). Esse trecho era percorrido por uma tradicional embarcação, a Barca do São Francisco.

No alto curso, opera a usina de Três Marias, que além de produzir energia controla a vazão das águas que correm em direção ao sertão. Na época de seca, libera-se maior quantidade de água, ou ela é retida na estação inversa para impedir o alagamento das margens.

No baixo curso, várias usinas foram construídas e atendem a vários estados nordestinos: Paulo Afonso (formado por um complexo de quatro usinas), Xingó e Itaparica. Essas usinas transformaram a bacia do São Francisco na segunda em produção de energia, abaixo apenas da Bacia do Paraná.

O alto e baixo curso são os mais favoráveis à obtenção de energia, pois são os trechos de maior declividade. No entanto, na década de 1970, um grande empreendimento surpreendeu pela inviabilidade técnica: a usina de Sobradinho, situada no Estado da Bahia no último trecho plano do rio. Pelas condições naturais em que foi construída, causou um forte impacto ao meio ambiente e graves problemas sociais.

Formou-se em Sobradinho a maior represa artificial brasileira. As suas águas cobriram alguns povoados e provocaram o deslocamento de milhares de pessoas que dependiam do rio para viver.

Contudo, após a conclusão da represa, milhares de agricultores vindos de partes diferentes do país começam a ocupar a região onde foi desenvolvido um vasto projeto de irrigação das terras sertanejas que a circundam. Transformou-se numa das mais promissoras áreas da fruticultura brasileira, onde se cultivam melões, abacaxis, mangas, uvas e outras frutas. Hoje, parte dessa produção é exportada.

Em 2005, teve início o polêmico projeto de transposição das águas do São Francisco, que pretende transportar a água do rio para alimentar açudes, rios temporários, irrigação, além de abastecimento urbano. Esse projeto atenderá, caso concluído, os Estados do Ceará e Rio Grande do Norte, numa rede de canais que formarão o Eixo Norte, e os Estados de Pernambuco e Paraíba, através dos canais que formarão o Eixo Leste.

Claudio Mendonça é professor do Colégio Stockler e autor de Geografia Geral e do Brasil (Ensino Médio) e Território e Sociedade no Mundo Globalizado (Ensino Médio)



Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos