Narrativa de ficção e de não ficção: A realidade é o limite

Alfredina Nery, Especial para a Página 3 - Pedagogia e Comunicação

Ao longo da nossa vida, vivemos em meio a muitas narrativas. Desde muito cedo, ouvimos histórias de nossas famílias, de como era a cidade ou o bairro há muito tempo atrás; como eram nossos parentes quando mais novos. Ouvimos também histórias de medos, de personagens fantásticos, de sonhos. Enfim, ouvimos, contamos, lemos, assistimos, imaginamos histórias.


Veja agora a diferença entre formas de narrar, lendo os textos a seguir:

Texto 1

“Noite escura, sem céu nem estrelas. Uma noite de ardentia. Estava tremendo. O que seria desta vez? A resposta veio do fundo. Uma enorme baleia, com o corpo todo iluminado, passava exatamente sob o barco, quase tocando-lhe o fundo. Podia ser sua descomunal cauda, de envergadura talvez igual ao comprimento do meu barco, passando por baixo, de um lado, enquanto do outro, seguiam o corpo e a cabeça. Com o seu movimento verde fosforescente iluminando a noite, nem me tocou, e iluminada seguiu em frente. Com as mãos agarradas na borda, estava completamente paralisado por tão impressionante espetáculo— belo e assustador ao mesmo tempo. Acompanhava com os olhos e a respiração seu caminho sob a superfície. Manobrou e voltou-se de novo, e, mesmo maravilhado com o que via, não tive a menor dúvida: voei para dentro, fechei a porta e todos os respiros, e fiquei aguardando, deitado, com as mãos no teto, pronto para o golpe. Suavemente tocou o leme e passou a empurrar o barco, que ficou atravessado a sua frente. Eu procurava imaginar o que ela queria.

(Klink, Amir. "Cem dias entre céu e mar". Rio de Janeiro: José Olympio, 1986)

Agora, leia:

Texto 2

A lebre e a tartaruga

A lebre estava se vangloriando de sua rapidez, perante os outros animais:
“Nunca perco de ninguém. Desafio a todos aqui a tomarem parte numa corrida comigo.”
“Aceito o desafio!”, disse a tartaruga calmamente.
“Isto parece brincadeira. Poderia dançar à sua volta, por todo o caminho”, respondeu a lebre.
“Guarde sua presunção até ver quem ganha”, recomendou a tartaruga.

A um sinal dado pelos outros animais, as duas partiram. A lebre saiu a toda velocidade. Mais adiante, para demonstrar seu desprezo pela rival, deitou-se e tirou uma soneca. A tartaruga continuou avançando, com muita perseverança. Quando a lebre acordou, viu-a já pertinho do ponto final e não teve tempo de correr, para chegar primeiro.

Moral: Com perseverança, tudo se alcança.

Veja:

 

  • o texto mostra, através de um relato de experiência vivida, cenas da memória do famoso navegador brasileiro - Amir Klink, autor de vários livros sobre suas viagens;
  • o texto 2 conta uma história de animais - fábula - que ilustra um comportamento humano e cuja finalidade é dar um ensinamento a respeito de certas atitudes das pessoas.

    Podemos afirmar que os dois textos têm em comum os seguintes aspectos:

     

  • acontecimento, fato, situação (ou "o que aconteceu" e "como aconteceu")
  • personagem (ou "com quem aconteceu")
  • espaço, tempo (ou o "onde" e "quando aconteceu")
  • narrador (ou "quem está contando")

    Ambos os textos são narrativas, mas com uma diferença: o primeiro é uma narrativa não ficcional, porque traz uma história vivida e relatada por uma pessoa. O segundo é uma narrativa ficcional, em que um autor cria no mundo da imaginação, uma história narrada por um narrador e vivida por seus personagens.

    Para a distinção entre narrativa ficcional e não ficcional ficar mais clara, é bom lembrar, por exemplo, que a notícia de jornal é também uma narrativa de não ficção, pois relata fatos da realidade que mereçam ser divulgados.

     

    Texto não é necessariamente escrito Vale lembrar também que nem todo texto é escrito, nem necessariamente coisa de escola.

    Há outras esferas de circulação dos textos, além da escola. Pense nos meios de comunicação de massa, como o rádio, o jornal, a TV e a Internet. Em todos, circulam os mais diferentes gêneros de texto.

    No cotidiano, usamos muitos gêneros orais (falados/ouvidos), como conversas formais, espontâneas, telefônicas; entrevistas; comentários sobre assuntos gerais; recados; propagandas; de rádio; aulas; debates; literatura de cordel; recitação de poemas; piadas e outros mais...

    As diferentes situações sociais das quais participamos, como indivíduos e cidadãos - defesa de opinião e de direitos, busca de serviços, tarefas profissionais, participação política, relações pessoais etc. - exigem práticas de linguagem organizadas em diferentes gêneros textuais.

    Para concluir, é bom também lembrar a definição de texto: um enunciado verbal que faz sentido para alguém em determinada situação.
     

  • Alfredina Nery, Especial para a Página 3 - Pedagogia e Comunicação é professora universitária, consultora pedagógica e docente de cursos de formação continuada para professores na área de língua/linguagem/leitura.

    

    Shopping UOL

    UOL Cursos Online

    Todos os cursos