Topo

Biografias


Isabel 1ª Rainha da Espanha

22 de abril de 1451, Madrigal de las Altas Torres (Espanha)

26 de novembro de 1504, Medina del Campo (Espanha)

Da Página 3 Pedagogia & Comunicação

06/09/2008 16h28

Filha de João 2º e de Isabel de Portugal, Isabel 1ª de Castela foi declarada herdeira do trono, em 1468, por seu irmão mais velho, o rei Henrique 4º. Contra a vontade dele, se casaria, no ano seguinte, com seu primo, Fernando de Aragão, rei da Sicília e príncipe de Gerona.

Os primeiros tempos de vida do casal foram marcados por extremas dificuldades. Deserdada pelo irmão, que nomeara para suceder-lhe sua filha ilegítima - Joana, a Beltraneja -, e sem poder contar com o apoio do esposo, que lutava em uma guerra contra a França, Isabel apelou para a nobreza de Castela. Por intermédio dos nobres, recebeu o apoio de numerosas cidades, o que forçou Henrique 4º a lhe restabelecer os direitos.

Em 1474, tornou-se rainha de Castela, e logo depois teve de enfrentar a Guerra de Sucessão Castelhana, promovida por Joana, a Beltraneja, que tinha pretensões ao trono e que contou com a ajuda do rei Afonso 5º, de Portugal. Isabel de Castela derrotou seus oponentes e condenou Joana a viver no exílio, em Portugal.
 

Rainha de Castela e de Aragão

Quando seu esposo, Fernando, torna-se rei de Aragão, em 1479, os dois reinos passam a constituir uma espécie de monarquia dualista, sem que oficialmente qualquer dos soberanos tivesse autoridade sobre o Estado pertencente ao cônjuge. Juntos, iniciam, então, a fase final da Guerra da Reconquista, incorporando o reino de Granada e, em 1492, expulsando definitivamente os mouros do solo espanhol.

A união dos reinos marcou o aparecimento de uma nova grande potência na Europa: a Espanha. Os nobres, então, são submetidos a novas leis, a administração é centralizada e a Inquisição se estabelece no país, o que leva o papa Alexandre 6º a recompensar os soberanos espanhóis com o título de "reis católicos", em 1494.
 

Expansão marítima

Consolidado o domínio da Espanha no Mediterrâneo, a coroa organiza e financia expedições marítimas que iriam participar do ciclo dos descobrimentos. Isabel e Fernando assinam, então, o Tratado de Tordesilhas com Portugal, que garantia aos espanhóis a posse de grande parte dos territórios da América.

Isabel de Castela também é conhecida por ter acreditado nos planos de Cristóvão Colombo, apesar das inúmeras críticas que os projetos receberam na corte espanhola. Segundo uma lenda, ela teria financiado a viagem que levaria ao descobrimento da América com suas próprias jóias.
 

Enciclopédia Mirador Internacional