Artes

Música ocidental: Da Idade Média ao Romantismo

Valéria Peixoto de Alencar*
Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação

Todas as pessoas que tiveram algum contato com teoria musical, ainda que pequeno, conhecem as notas musicais e o sistema de notação, um tipo de escrita que pode ser considerado como o texto da música.

E qualquer pessoa, em qualquer lugar do mundo, que conheça esses códigos, pode executar a música, tendo em mãos a partitura (um conjunto de notações musicais, impressas ou manuscritas, que mostra a totalidade das partes de uma composição musical).

Esse sistema de notação musical em pautas (conjunto de linhas paralelas para se escreverem as notas) surgiu durante a Idade Média, na Europa, por volta do ano 1000, e foi inventado por Guido d'Arezzo, um monge beneditino.



Reprodução
Exemplo de escala musical


Durante a Baixa Idade Média, a Igreja desenvolveu um tipo de música conhecida como cantochão, inspirada nos antigos cânticos judaicos. Era cantada em uníssono e sem acompanhamento de um instrumento.

Com a invenção de Guido d'Arezzo, a música ocidental afastou-se das tradições do Oriente Médio e desenvolveu a harmonia, isto é, quando duas ou mais notas são escritas para serem tocadas simultaneamente, formando um acorde.

Durante os séculos 12 e 13 é marcante a figura dos trovadores, músicos-poetas que cantavam histórias de amor e cavalaria.

Guillaume de Machaut tornou-se famoso, em meados do século 14, pela harmonia e beleza de suas músicas. Podemos dizer que, pela primeira vez na história, os compositores foram reconhecidos como artistas.



Reprodução
Clavicórdio, um antigo instrumento de teclado, inventado em 1350


Música no Renascimento

O período conhecido como Renascimento é posterior à Idade Média e trouxe a idéia de renovação, ressurgindo os interesses em relação à cultura clássica.

Foi um período de renovação e inovação em diversas áreas da produção humana, e não seria diferente com a música, que era composta por várias linhas melódicas ou vozes, cantadas ou tocadas ao mesmo tempo: a música polifônica.

Nessa época, as igrejas Católica e Protestante apresentaram novas canções aos fiéis, mais fáceis de serem acompanhadas durante as cerimônias. A música não religiosa também adquiriu importância. Aprender a ler e interpretar música fazia parte da educação da aristocracia.



Música Barroca

No período barroco a música foi se tornando cada vez mais complexa, exigindo grande habilidade dos executores, dos músicos e dos cantores.

Dentro das características barrocas, a música tornou-se mais dramática, acentuando os contrastes entre forte e fraco, rápido e lento. O italiano Cláudio Monteverdi (1567-1643) é considerado o primeiro grande compositor de óperas, expressão artística que encontrou no barroco um modo perfeito de unir drama e paixão.

Um dos principais compositores de música barroca foi o alemão Johann Sebastian Bach (1685-1750).



A música clássica

É denominada música clássica a produção feita no período seguinte ao barroco, conhecido nas artes visuais como neoclassicismo.

O resgate da estética clássica grega fez com que as pessoas passassem a preferir um estilo de música mais sóbrio e equilibrado. Algumas formas musicais do barroco permaneceram populares e se adaptaram ao novo gosto e aos novos instrumentos. O concerto foi uma forma de adaptação e consiste na apresentação de um instrumento solo acompanhado por uma orquestra.

São importantes compositores desse período o austríaco Wolfgang Amadeu Mozart (1756-1791) e o alemão Ludwig van Beethoven (1770-1827), que compôs uma música mais dramática e com fortes traços pessoais, características que iriam dominar o século 19.



Música romântica

Com Beethoven temos uma mudança expressiva em relação ao estilo clássico: é o romantismo, que se voltou a temas como a beleza na natureza e a imaginação. Nesse mesmo período também houve um interesse pela música produzida durante a Idade Média.

Importantes compositores deste período são: Franz Schubert (1797-1828), Hector Berlioz (1803-1869), Frédéric Chopin (1810-1849), Franz Liszt (1811-1886), Richard Wagner (1813-1883) e o compositor de óperas Giuseppe Verdi (1813-1901).



Dica de site

Departamento de Composição, Literatura e Estruturação Musical da Universidade Federal da Bahia
    Para saber mais sobre a história das notas musicais, visite a página do .


Dicas de filmes

  • Amadeus, EUA, 1984, direção de Milos Forman: fala do relacionamento entre Mozart e Salieri, que eram compositores rivais.
  • Minha amada imortal, EUA, 1994, direção de Bernard Rose: conta a história da vida de Beethoven.


Valéria Peixoto de Alencar*
Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação *Valéria Peixoto de Alencar é historiadora formada pela USP e cursa o mestrado em Artes no Instituto de Artes da Unesp. É uma das autoras do livro Arte-educação: experiências, questões e possibilidades (Editora Expressão e Arte)

UOL Cursos Online

Todos os cursos