Topo

Pesquisa escolar

Ciências


Sistema nervoso e encéfalo (2) - Dos receptores à medula espinhal

Maria Sílvia Abrão, Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação

Vamos continuar com a comparação do artigo anterior sobre sistema nervoso: algumas vezes, a secretária não precisa levar a informação ou discutir um problema com o diretor da empresa. Ela pode resolver os assuntos mais simples com o gerente da área e o diretor nem precisa nem tomar conhecimento deles.

O mesmo ocorre com nosso corpo. Algumas vezes, as mensagens recebidas por nossos receptores são levadas apenas até a medula espinhal, de onde parte uma resposta. O encéfalo e a medula espinhal são conhecidos como sistema nervoso central e têm a função de coordenação nervosa.

Podemos organizar o sistema nervoso da seguinte forma:

  • Sistema nervoso central, composto pelo encéfalo (cérebro, cerebelo e bulbo), que fica protegido pela caixa craniana, e pela medula espinhal, que é um prolongamento do encéfalo;
    • Órgãos do sistema urinário

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  • Sistema nervoso periférico, que compreende os nervos cranianos e os nervos espinhais.

    Os componentes do encéfalo O cérebro é constituído por dois hemisférios (direito e esquerdo) e pelo hipotálamo. Os hemisférios cerebrais têm por função receber as mensagens recolhidas pelos receptores e processá-las: interpretar, classificar, produzir uma resposta e transmitir ordens aos músculos e glândulas.

    No hipotálamo estão alguns centros de controles automáticos ou regulagem, como: quantidade de água no sangue e tecidos; fome; sede, temperatura e pressão sanguínea. A hipófise é uma glândula situada logo abaixo do hipotálamo, que libera, diretamente no sangue, hormônios produzidos por ela mesma ou pelo hipotálamo, como o hormônio que diminui a diurese (produção de urina).

    O bulbo raquidiano, ou medula alongada, localiza-se logo após o encéfalo, acima da medula espinhal. Tem por função o controle dos centros reflexos da deglutição, sucção, mastigação, vômito, tosse, espirro, fonação, secreção lacrimal e piscar dos olhos. Todas essas funções se processam sem "chegar ao conhecimento do encéfalo", ou seja, sem depender deste.

    O bulbo controla também atos automáticos (os quais ocorrem sem estimulação) como: centro respiratório - regulado pela concentração de oxigênio do sangue -, centro inibidor cardíaco - que reduz os batimentos cardíacos -, centro vasoconstritor - que determina a diminuição do calibre dos vasos.

    Já o cerebelo está apenas relacionado à motricidade, controlando o equilíbrio, o tônus e o vigor muscular.

    Sistema nervoso periférico Os nervos cranianos são doze pares de nervos, ligados ao encéfalo, que se relacionam com a cabeça e o pescoço. Recebem o nome de nervos cranianos em virtude de sua origem. São eles:

    Três deles são sensoriais e levam informações ao encéfalo (centrípetos - olfativo, óptico e auditivo). Cinco deles são motores e levam informações que partem do cérebro para as regiões do corpo (centrífugos - motor ocular comum, patético, motor ocular externo, espinhal e hipoglosso). Os outros quatro são mistos (trigêmeo, facial, glosso-faríngeo e pneumogástrico).

    Os nervos espinhais são 31 pares de nervos mistos ligados à medula espinhal. Ligam-se a medula espinhal por duas raízes: pela raiz anterior (motora) e pela raiz posterior (sensorial).

Maria Sílvia Abrão, Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação é bióloga, pós-graduada em fisiologia pela Universidade de São Paulo e professora de ciências da Escola Vera Cruz (Associação Universitária Interamericana).

Mais Ciências