PUBLICIDADE
Topo

História geral

Colonização dos EUA (2) - As trezes colônias autônomas

Antonio Carlos Olivieri, Da Página 3 Pedagogia & Comunicação

A geografia do continente norte-americano influenciou o desenvolvimento econômico das colônias. O Norte, com um clima ruim, rios estreitos e pouco propícios à navegação, solo árido e pedregoso, não conheceu um desenvolvimento agrícola. Seus habitantes voltaram-se para a pesca e posteriormente para a exploração de madeira.

No Centro e no Sul, os montes Apalaches se afastam progressivamente do litoral. As duas regiões possuem planícies de solo fértil que, auxiliado por verões quentes e invernos amenos, favoreceu a agricultura. Assim, nas quatro colônias do Centro, além da navegação, da pecuária e de um bem-sucedido comércio de peles, desenvolveram-se as culturas de trigo, cevada e centeio.

Ao sul, a partir da Virgínia, predominaram as grandes plantações de tabaco, arroz, anil e algodão. Eram grandes fazendas monocultoras, com exploração da mão-de-obra de escravos negros trazidos da África. Nesse sentido, o sistema é quase idêntico ao desenvolvido no Nordeste do Brasil, durante o ciclo da cana-de-açúcar.



Colônia a serviço da Metrópole

Quase todo o comércio dos produtos das colônias era feito por meio da Inglaterra, de acordo com a política mercantilista, que encarava as colônias como fonte de lucro para a metrópole. Esta, vivendo em plena Revolução Industrial, se encarregava de absorver a matéria-prima das colônias e as abastecia com produtos manufaturados. Com isso, o comércio entre as próprias colônias era insignificante. Cada colônia gozava de autonomia econômica em relação às outras.

Some-se a isso a tradição inglesa dos autogovernos locais e se compreende que as colônias formavam verdadeiros Estados independentes. Cada uma delas tinha uma Câmara ou Assembleia de representantes eleitos pela população local, caso tivessem propriedades e rendas.

No plano militar, a dependência dos americanos em relação à Grã-Bretanha era efetiva. A armada e o exército britânicos garantiam a segurança - das populações fronteiriças das colônias contra inimigos que tanto podiam ser as tribos indígenas como franceses ou espanhóis.



Contra franceses e índios

Por volta de 1763, os interesses econômicos britânicos e norte-americanos entraram em conflito aberto. Acentuaram-se as revoltas dos colonos, com insurreições que, em menos de uma década, se transformaram num movimento revolucionário.

A Guerra Franco-Indígena, extensão norte-americana da Guerra dos Sete Anos entre dois blocos europeus liderados por França e Grã-Bretanha, marcou o primeiro momento de união entre as colônias, com a formação de milícias. O fim dessa guerra deu início a uma maior intromissão do Parlamento britânico nos assuntos do continente.

Aumentou o cerco econômico às colônias, visando cobrir as despesas de guerra e fortalecer o poderio militar britânico na América do Norte. Além disso, os ingleses declararam o território a oeste dos Apalaches como reserva indígena, impedindo a expansão nessa direção e garantindo para si o lucrativo comércio de peles com os índios pacificados.



História geral