Topo

Pesquisa escolar

Sociologia


Populismo - Fenômeno político baseia-se no carisma de governantes

Renato Cancian, Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação

Nas ciências sociais, o conceito de populismo se reveste de extrema complexidade devido à multiplicidade de usos do termo. Na sociologia e na ciência política, por exemplo, o populismo frequentemente é definido como forma de governo, sem, no entanto, dispor de uma formulação teórica precisa e acabada.

Como forma de governo, o populismo adquire conotação bastante negativa. Na abordagem de conjunturas políticas consideradas populistas, os governantes e políticos são considerados grandes demagogos e hábeis manipuladores das classes populares, visando à obtenção do voto do eleitor.

As classes populares são geralmente concebidas como massa social amorfa, que ainda não adquiriu consciência de classe e, por esse motivo, é suscetível à dominação e retórica dos que pretendem conquistar ou manter o poder político.

Características gerais do populismo

É mais prático explicar o populismo a partir das características gerais que integram esse fenômeno social e político. Primeiramente, vamos considerar as causas sociais e políticas que predispõem ou influenciam o aparecimento do populismo.

O populismo pode ser observado em várias sociedades em fase de intenso processo de modernização. A modernização é o meio pelo qual sociedades predominantemente agrárias se transformam em sociedades industriais. As massas camponesas, portanto, antes fixadas na vida e no trabalho no campo, são forçadas a migrar para as cidades. No meio urbano, os camponeses se tornam proletários e, gradualmente, dão origem à classe operária.

Recém-integradas na indústria e no sistema político, as massas trabalhadoras ainda não adquiriram consciência de classe e também não dispõem de meios para se organizar politicamente. Essa situação provocará o surgimento de movimentos políticos que tenderão a mobilizá-la, dispensando a intermediação de associações de classe ou de partidos políticos.

Carisma

A segunda característica do populismo se refere a um determinado tipo predominante de vínculo social de dominação, baseado no carisma, que o líder político (ou caudilho) estabelece com as massas populares urbanas para ser eleito e governar.

Os regimes populistas tendem a neutralizar e às vezes anular por completo as distinções e o conflito de classe, concebendo as camadas populares como elemento homogêneo e unitário, a partir de referências míticas ao "povo". A contrapartida do apoio político-eleitoral das massas urbanas aos líderes políticos e governantes populistas são, de modo geral, as concessões em forma de benefícios sociais de caráter assistencialista.

A terceira característica do populismo se refere ao caráter abrangente do fenômeno, que permeia tanto ideologias políticas de esquerda como de direita. O populismo também pode funcionar em uma moldura institucional democrática ou autoritária, civil ou militar.

Entre os governantes populistas latino-americanos mais conhecidos e influentes da primeira metade do século 20 estão: Getúlio Vargas (que governou o Brasil de 1930 a 1945 e de 1951 a 1954), Juan Perón (que governou a Argentina entre 1946 e 1955 e de 1973 a 1974) e Lázaro Cárdenas (que governou o México entre 1933 e 1940).

Renato Cancian, Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação é cientista social, mestre em sociologia-política e doutorando em ciências sociais. É autor do livro "Comissão Justiça e Paz de São Paulo: Gênese e Atuação Política - 1972-1985".

Mais Sociologia