Violência nas escolas públicas atinge mais da metade dos educadores

Do UOL, em São Paulo

  • Fernando Moraes/Folhapress

Mais da metade dos educadores de escolas públicas no Brasil afirma ter presenciado agressões físicas ou verbais de alunos a funcionários, incluindo professores, no ambiente escolar. Entre os diretores, 55% relataram que casos como esses ocorreram na escola, enquanto entre os professores o índice foi de 51%. Além disso, 11% dos diretores e 9% dos professores disseram ter sofrido ameaças de algum aluno.

Os dados vêm de questionários aplicados a alunos de 5º e 9º ano, seus professores de língua portuguesa e matemática e também aos diretores de escolas que participaram da Prova Brasil em 2015. Os números foram divulgados nesta segunda (20) pelo portal QEdu. Além de perguntas específicas sobre o ensino e a escola, todos os participantes responderam a questões de perfil social e econômico.

Entre os próprios estudantes, a violência escolar apresenta índices ainda maiores: 76% dos diretores e 71% dos professores relataram ter havido agressão verbal ou física de alunos a outros alunos da escola.

A presença de crimes no ambiente escolar, por outro lado, é baixa – 9% dos diretores afirmaram terem sido vítimas de furto e 2% de roubo dentro da escola. Já 5% dos professores disseram ter sido vítimas de furto e 1% de roubo na escola. Os alunos não responderam a perguntas sobre violência escolar.

Aprendizagem

Outro destaque do levantamento diz respeito à aprendizagem: muitos educadores afirmaram não ter conseguido desenvolver todo o conteúdo previsto para as turmas que fizeram a Prova Brasil em 2015.

Entre os professores do 9º ano, 55% estimaram que só conseguiram desenvolver até 80% do conteúdo programado. O índice é um pouco menor entre os professores do 5º ano: 45% calcularam ter alcançado até 80% do previsto para o ano.

Para o QEdu, o resultado acende um alerta: entre os muitos desafios no ensino do país apontados pelos educadores, o mais crítico deles é que, muitas vezes, os conteúdos de aprendizagem nem chegam aos alunos.

Veja, a seguir, outros destaques:

Shutterstock
Shutterstock

Livros

Apesar de 76% dos diretores apontarem que os livros didáticos chegaram à escola em tempo hábil para o início das aulas, 62% deles informaram que faltaram livros para os alunos.
Getty Images/iStockphoto
Getty Images/iStockphoto

Recursos financeiros

70% dos diretores apontaram que o funcionamento da escola foi dificultado por insuficiência de recursos financeiros, seja de maneira leve, moderada ou grave.
Filipe Redondo/Folhapress
Filipe Redondo/Folhapress

Reprovação e evasão

75% dos alunos do 5º ano afirmaram nunca terem sido reprovados. Outros 92% disseram nunca ter abandonado os estudos durante o período de aulas e ter ficado fora da escola pelo resto do ano. Entre os alunos do 9º ano, os índices são similares: 95% disseram nunca ter parado de estudar e 70% afirmaram nunca terem reprovado um ano.
Danilo Verpa/Folha Imagem
Danilo Verpa/Folha Imagem

Expectativas dos professores

55% dos professores disseram acreditar que quase todos os alunos concluirão o ensino médio. No entanto, apenas 12% afirmaram acreditar que quase todos os estudantes ingressarão no ensino superior.
iStock
iStock

Pretensão dos alunos

Entre os alunos do 9º ano, 58% afirmaram que pretendiam continuar estudando e trabalhando, enquanto 30% disseram que pretendiam seguir apenas estudando.

UOL Cursos Online

Todos os cursos