PUBLICIDADE
Topo

De bossa nova a Iron Maiden, é possível aprender história com música

Simone Harnik<br>Em São Paulo

15/04/2009 06h00

Onde se encontram os fãs de Iron Maiden e o povo da bossa nova? Na aula de história. Isso mesmo: além de serem um recurso para cativar a turma, as músicas podem servir como estímulo ao aprendizado de conteúdos históricos densos - seja sobre personalidades como Alexandre, o Grande, seja sobre a ditadura brasileira. E quem não quer sair da aula cantando ou batucando no caderno?

HISTÓRIA COM MÚSICA
AFP
"Alexander, The Great" - Iron Maiden -Trata da vida do grande conquistador do mundo antigo, Alexandre, o Grande
Letra e tradução
 
AP
"Sunday, Bloody Sunday" - U2 - Enfoca o conflito entre católicos e protestantes na Irlanda do Norte
Letra e tradução
 
Reprodução
"Tá-hí! P'ra Você Gostar De Mim" - Carmen Miranda - Dizem especialistas que a cantora dedicava a música a Getúlio Vargas, com quem mantinha um caso amoroso
Letra
 
Divulgação
"Presidente Bossa Nova" - Juca Chaves - A música faz uma caricatura do estilo de Juscelino Kubitschek
Ouça a música
 
 
Reprodução
"Space Oddity" - David Bowie - A BBC fez da música trilha sonora da transmissão da chegada do homem à Lua em 1969
Letra e tradução
 
Folha Imagem
"Um índio" - Caetano Veloso - Fala do extermínio das nações indígenas
Ouça a música

"Índios" - Legião Urbana -Traz a visão do "bom selvagem"
Ouça a música
 
Reprodução
"Lucy in the Sky with Diamonds" - The Beatles - A estética psicodélica permite falar dos movimentos de contestação da década de 60
Ouça a música
 
Abril Imagens
"O Conto do Sábio Chinês" - Raul Seixas - A música fala de um chinês que vira uma borboleta e ilustra a cultura e a filosofia orientais
Ouça a música
 
Folha Imagem
"Deixa isso pra lá" - Jair Rodrigues - Fala de deixar a política de lado após o golpe militar
Ouça a música

"Apesar de Você" - Chico Buarque - Canta a violência do governo Médici
Ouça a música
 
Reprodução
"Brasil" - Cazuza - Com a abertura política e a democracia no país, Cazuza contestou a estrutura e a sociedade
Ouça a música

 

"Uso, por exemplo, a música "Sunday, Bloody Sunday", do U2, que faz referência ao Domingo Sangrento na Irlanda, de 1972", conta o professor de história Iberê Wendel de Pádua Lopes, da Escola Suíço-brasileira.

Com a música, Lopes faz associações também com o Domingo Sangrento da Revolução Russa de 1905, quando uma manifestação pacífica foi violentamente rechaçada pela guarda do czar - deixando centenas de mortos.

"A turma gosta muito de Raul Seixas e de rock, então uso a música 'O Conto de um Sábio Chinês' para abordar a filosofia oriental. A letra fala de um sábio chinês que era uma borboleta. Dá para mostrar as diferenças da cultura ocidental com a do oriente", exemplifica Lopes.

"Os alunos gravam com mais facilidade, quando usamos os recursos sonoros. A molecada gosta disso. Muitas das músicas os alunos até conhecem, mas não têm idéia do contexto em que foram criadas. Alguém tem de chamar atenção para essas relações", afirma o professor de história do Anglo Jucenir da Silva Rocha.

Com foco em história do Brasil, Rocha utiliza vasto repertório de marchinhas e de sambas que falam da história de presidentes e personalidades importantes do país.

"A música 'Tá-hí! P'ra Você Gostar de Mim', cantada pela Carmem Miranda, era para o presidente Getúlio Vargas. Ela era amante de Getúlio e, na época, só as pessoas mais politizadas sabiam disso", conta o professor.

Outro "homenageado" em canções foi o marechal Hermes da Fonseca. Em 1914, sua mulher, Nair de Tefé, tocou ao violão o "Corta-jaca", um maxixe composto por Chiquinha Gonzaga - na época, a música provocou escândalo.

Ao fim de seu mandato, surgiu uma versão satirizando o militar, conhecido pela população como "Seu Dudu" e com fama de azarado:

"Ai, Filomena
Se eu fosse como tu
Tirava a urucubaca
Da careca do Dudu"

"Não é que o presidente era azarado, mas ele era uma figura despolitizada. Sabia mandar, e não governar, pois não tinha jogo de cintura. Acabou caindo na boca do povo", conta Rocha.

História ajuda no aprendizado de música

Se por um lado a música ajuda a aprender história, os fatos estimulam o aprendizado dos instrumentos. É o que assegura o coordenador da área de música da Escola Suíço-brasileria, André Barreto.

"É difícil gerar interesse na criança. Às vezes, o professor de música quer explicar que a técnica é importante e que a mão tem determinadas características. Aí a criança nem vai prestar atenção", afirma. "O mais importante é gerar interesse, é gerar outros ganchos para o aprendizado."

Com a história do rock e ensinando violão, Barreto reconstrói a história americana e a da Inglaterra. "Os estudantes se interessam mais, vão pesquisar. E se envolvem de outra forma."

 Veja fotos de fatos históricos abordados em músicas