PUBLICIDADE
Topo

Vestibular

Após queda de energia, sabatistas de Rio Branco terão que fazer Enem 2012 em dezembro

Fernanda Calgaro

Do UOL, em Brasília

04/11/2012 19h33

O ministro da Educação, Aloízio Mercadante, informou neste domingo (4) que candidatos sabatistas no Rio Branco terão que fazer o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) em dezembro após a suspensão ontem (3) da aplicação da prova, devido à queda de energia no local do exame.

O novo exame acontece nos dias 4 e 5 de novembro, quando será aplicado em presídios.

Candidatos que fazem a prova na cidade de Amargosa, no sul da Bahia, também estão sem luz na noite deste domingo e o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais) avalia se irá suspender o exame neste local.

Segundo o ministro, hoje também houve queda de energia em outras quatro cidades (três na Bahia e uma em Sergipe), mas o fornecimento foi logo restabelecido e os estudantes não foram prejudicados.

Além desses, a adolescente de 17 anos que deu à luz durante a prova em Sidrolândia (MS), a 60 km de Campo Grande, terá direito a fazer uma nova prova. Mais cedo, Mercadante ligou para a jovem e a autorizou a fazer o exame em dezembro.

Twitter

Mercadante, criticou ainda a divulgação no Twitter de um boato na manhã de sábado que dizia que o Enem havia sido cancelado. Segundo ele, uma semana antes, o mesmo rumor também começou a circular na internet. Segundo ele, seria preciso ter uma legislação específica para coibir esse tipo de conduta, com potencial para prejudicar milhares de estudantes.

"Já encaminhamos [para a Polícia Federal], como fizemos antes, na véspera do Enem. Já tinha acontecido isso semana passada. Identificamos a origem do boato que deflagrou essa situação de instabilidade", afirmou durante coletiva de imprensa.

Sobre os candidatos que publicaram fotos do exame nas redes sociais, disse que lamentava que esses estudantes perdessem a oportunidade de fazer a prova. "O trabalho de acompanhamento de mídia eletrônica foi muito bem feita pela equipe, e infelizmente os estudantes foram prejudicados."

Segundo ele, “até o momento, não há nenhum indício de fraude ou de episodio que pudesse arranhar a seriedade do exame”.

Vestibular