PUBLICIDADE
Topo

Vestibular

Enem 2012: No Rio, candidato sai cedo da prova do Enem 2012 e leva bronca da mãe

Flávia Ribeiro repreendeu seu filho Bruno Mota por ter saído cedo da prova no segundo dia do Enem 2012 - Marco Antônio Teixeira /UOL
Flávia Ribeiro repreendeu seu filho Bruno Mota por ter saído cedo da prova no segundo dia do Enem 2012 Imagem: Marco Antônio Teixeira /UOL

Rodrigo Teixeira

Do UOL, no Rio de Janeiro

04/11/2012 17h42

Flávia Mota Ribeiro, 38, técnica em atendimento, repreendeu o filho Bruno Mota, 16, por ter saído cedo do segundo dia de prova do Enem 2012 (Exame Nacional do Ensino Médio) na Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro), no Maracanã, na zona norte do Rio.

Após escutar dele que a cadeira era dura e nada confortável da sala de prova, Flávia deu uma bronca no filho. "Quem me dera se eu tivesse pai e mãe para me orientar nos meus estudos. Não tenho pena não, tem tempo para a Internet e ficar sentado no computador horas e horas. Tem que ter tempo para ficar fazendo a prova. E agora tá reclamando que cansa?".

A mãe continuou "Ontem (3) chegou da prova e queria ver a namorada, eu disse não! Ontem eu reclamei porque, na prova, depois de duas horas ele saiu. Hoje tinha que ter a consciência e fazer a prova com calma! Eu não estou com pressa e falei para ele que não tinha que fazer a prova correndo".

Bruno termina esse ano o ensino médio e fez a prova pela primeira vez. "Ontem eu achei fácil, mas não fui bem. É, minha mãe não deixou eu sair com minha namorada, mas deu tudo certo. A redação foi legal, os textos de apoio deram base", disse o jovem que ao sair já ia partir para o cinema com a namorada.

Hoje o jovem disse que fez a prova com calma e paciência, mas a estrutura da sala não estava boa. "Achei muito desconfortável ficar nas cadeiras da Uerj. Dos três ventiladores da sala, um não funcionava e os outros dois apresentavam um ruído, tirava a concentração", contou o jovem enquanto dividia um lanche com sua mãe.

A cirurgiã dentista Regina Souza da Silva também aguardava a filha Ana Carolinna, 19, terminar a prova. A mãe conta que recomendou que a filha trouxesse para prova guloseimas para repor as energias.

"Ela trouxe quase um piquenique. Foi isotônico, biscoitos doce e salgado, batata frita, chocolate e água. O sonho dela é cursar medicina, quis seguir os passos da tia, que é ginecologista", conta. Regina disse ainda que a filha deve esperar o momento de poder sair com o caderno de questões para casa.

Segundo a Polícia Militar que estava com uma equipe no local, nenhuma ocorrência grave foi registrada no interior da Uerj.

O jovem André Ferreira dos Santos, que deixou de realizar a prova por não estar  com um documento de identidade com foto, informou ao UOL que está avaliando se vai registrar o caso em uma delegacia.

Vestibular