Topo

Queixas contra instituições de ensino superior em SP crescem 19%

Do UOL, em São Paulo

09/12/2013 13h20Atualizada em 10/12/2013 10h44

O número de queixas contra instituições de ensino superior em São Paulo cresceu 19% de janeiro a setembro de 2013 em relação ao mesmo período do ano passado. A informação foi divulgada pela Fundação Procon-SP (órgão de proteção ao consumidor) nesta segunda-feira (9).

Juntas, as dez empresas mais reclamadas tiveram 1.129 registros no período. Na lista do Procon-SP, o Grupo Uniesp foi o que recebeu o maior número de reclamações no período (290), com 70% deles resolvidos.  A maior parte das queixas estava relacionado à contratação obrigatória do FIES (programa de financiamento do governo federal) para liberação do acesso às aulas e provas.

Mais sobre ensino superior

  • Arte UOL

    Aprenda a fugir das pegadinhas de publicidades de cursos superiores

  • Wanezza Soares/UOL

    MEC publica lista dos 270 cursos que terão vestibular suspenso

  • Luis Cleber/ Estadão Conteúdo

    Veja como escolher um curso superior de qualidade

Em segundo lugar, aparece a Anhanguera Educacional, com 178 queixas e 71% de solução. O grupo é responsável pelas instituições Uniban, Unibero e Anhanguera. As queixas dão conta de problemas como falta de emissão de boletos e pagamentos realizados a empresas terceirizadas e não reconhecidos pela instituição. 

Segundo o Procon-SP, a maior parte das reclamações contra instituições de ensino superior privadas dão conta de problemas relacionados com cobrança (46%). Não cumprimento do contrato, das ofertas publicitários ou a rescisão de contrato foram motivos de 20% das queixas. A prestação de serviços deu razão a 16% das reclamações registradas no órgão de proteção ao consumidor e o não fornecimento de documentos escolares é responsável por 15% das queixas. 

Outro lado

Em nota, a Uniesp contesta o índice de 70% de reclamações resolvidas do Procon-SP e afirma que a taxa diz respeito ao período de janeiro a julho: "o índice de solução certamente é maior".

Além disso, o grupo afirma ter adquirido no último ano e meio parte importante de suas unidades: "muitas dessas instituições estavam cheias de problemas financeiros, administrativos e acadêmicos, chegando a acumular, em alguns casos, dezenas de milhões em dívidas e centenas de reclamações". Segundo a instituição, todas as medidas necessárias para o esclarecimento das questões estão sendo tomadas. 

A Anhanguera disse, em nota, que o número de reclamações emitidas pelo Procon "representa menos de 0,05% do total de 428 mil alunos do grupo." A instituição afirmou ainda que "disponibiliza diversos canais para o relacionamento com o estudante, que incluem o atendimento pessoal na secretaria, SAC, e-mail, chat e as redes sociais".

O Complexo Educacional FMU destacou, em nota, ter mais de 70 mil alunos e estar à disposição para resolver todas as dúvidas dos reclamantes. 

A Unisa afirmou em nota à imprensa estar empenhada "para a solução dos casos apresentados pelos alunos". 

Segundo a Estácio de Sá, a instituição afirma que "busca resolver, prontamente, as eventuais queixas promovidas pelos mesmos no Procon e demais órgãos de proteção do consumidor". A instituição diz ter equipe para soluções de reclamações, além de canais convencionais de atendimento aos alunos, como SAC, atendimento agendado e requerimentos online.

Em nota, a Universidade Cruzeiro do Sul e a Unicid (Universidade Cidade de São Paulo) informaram que "seus processos estão em aprimoramento continuo a fim de oferecer aos seus alunos os melhores serviços educacionais, cumprindo rigorosamente a legislação vigente".

A Universidade Anhembi Morumbi disse, em nota, que tem trabalhado na solução dos casos que estão no Procon-SP e que "busca o aperfeiçoamento constante de todos os seus processos".

O Complexo Educacional FMU afirma que "busca atender e apurar as solicitações de seus alunos por meio dos seus canais de relacionamentos" e que o número de registros no Procon-SP representa apenas 0,05% do total de 428 mil alunos do grupo.

Procuradas pelo UOL, as demais instituições ainda não se posicionaram em relação ao ranking.

Veja as 10 instituições com mais queixas*

InstituiçãoNúmero de queixas% de solução**
Grupo Uniesp29070%
Anhanguera Educacional17871%
Universidade Anhembi Morumbi16550%
Uninove – Universidade Nove de Julho12979%
Unip – Universidade Paulista9672%
FMU – Faculdades Metropolitanas Unidas9378%
Unisa – Universidade de Santo Amaro5277%
Unicid – Universidade Cidade de São Paulo5084%
Estácio – Universidade Estácio de Sá4542%
Unicsul – Universidade Cruzeiro do Sul3183%
  • * entre janeiro e setembro de 2013                                    ** entre janeiro e julho de 2013
  • Fonte: Procon-SP

Mais Educação