Topo

Em greve, servidores da Educação ocupam Câmara de Goiânia

Divulgação/Simsed
10.jun.2014 - Sevidores da rede municipal de Educação ocupam o plenário da Câmara de Goiânia desde a manhã desta terça-feira Imagem: Divulgação/Simsed

Do UOL, em São Paulo

2014-06-10T16:00:03

2014-06-10T17:05:48

10/06/2014 16h00Atualizada em 10/06/2014 17h05

Cerca de cem professores e auxiliares administrativos da rede municipal de Educação ocupam o plenário da Câmara de Goiânia desde a manhã desta terça-feira (10). A ação ocorreu logo após a rejeição de um pedido de impeachment –protocolado pelo sindicato da categoria na última quinta-feira (5)-- do prefeito Paulo Garcia (PT).

Os docentes estão em greve desde o último dia 26 de maio.

Segundo o Simsed (Sindicato Municipal dos Servidores da Educação de Goiânia), os profissionais, que acompanhavam a votação nesta terça, decidiram ocupar o plenário da Casa porque não concordaram com a votação do pedido sem que os vereadores tenham debatido o assunto.

Após a ocupação, os vereadores se retiraram do local. Em seguida, a Câmara desligou a luz e os equipamentos de ar-condicionado. Os manifestantes também dizem que os banheiros foram bloqueados e algumas pessoas estão sendo impedidas de retornar ao plenário.

A Câmara informou que cortou a energia do plenário, porque a sessão já havia terminado. Ainda de acordo com a Casa, houve discussão do pedido de impeachment do prefeito entre 9h e 10h. Os vereadores já entraram com pedido de reintegração de posse do espaço.

Greve

Em outubro do ano passado, a categoria já havia ocupado o plenário da Câmara durante a votação de um projeto de lei de um auxílio locomoção para os servidores da Educação. À época, os professores ficaram quase um mês em greve.

Agora, eles dizem que a prefeitura não cumpriu o acordo anterior e que não houve negociação desde o dia 26, quando a greve recomeçou. Entre as demandas, estão o pagamento retroativo do piso e a revogação do decreto 1248/2014 –que suspende licenças e gratificações.

Em nota, a Secretaria Municipal de Educação disse que se mantém aberta ao diálogo com a categoria. "Entretanto, reitera, por meio Decreto nº. 1248/2014, o impedimento da Prefeitura de Goiânia em atender às reivindicações em virtude da Lei de Responsabilidade Fiscal".

"Por fim, a SME ressalta que foi concedido aos professores aumento salarial de 8,32%, retroativo à janeiro, índice que manteve o piso salarial acima do Piso Salarial Profissional Nacional, instituído pelo Ministério da Educação. Também em janeiro, foi reajustado em 26,5% o auxílio locomoção recebido pelos professores da rede municipal", diz.

Mais Educação