PUBLICIDADE
Topo

Vestibular

Enem 2015 tem abstenção de 25,5% e 743 candidatos eliminados

Edgard Matsuki

Colaboração para o UOL, em Brasília

25/10/2015 19h54

Com o índice de abstenção de 25,5%, a prova do Enem deste ano teve o menor percentual de estudantes faltosos dos últimos sete anos. Do total de 7.746.436 inscrições, 5,7 milhões de candidatos fizeram as provas neste sábado (24) e domingo (25). A informação foi dada pelo MEC (Ministério da Educação) na noite deste domingo, em Brasília.

De acordo com o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, a perda da isenção aos estudantes que faltaram a prova e a motivação dos estudantes são as principais razões para a abstenção menor. “Ainda é cedo para uma análise conclusiva, mas acredito que o fim da isenção para quem faltar a prova e a motivação para os concursos, que vêm crescendo ano a ano, levam os estudantes a faltar menos”, apontou. 

Nas 63 universidades federais do país, a prova é usada como parte ou como todo o processo seletivo. O Enem ainda é critério para acesso às bolsas do Prouni (Programa Universidade Para Todos), ao Fies (Financiamento Estudantil), em faculdades privadas, e ao programa Ciência sem Fronteiras, que envia universitários para intercâmbio no exterior.

A prova do Enem deste ano também teve o menor número de eliminações dos últimos anos. Ao todo, 743 candidatos foram impedidos de fazer as provas por causa de irregularidades. Desses, 677 foram por uso de equipamentos inadequados e 63 foram pegos no detector de metal. Três candidatos foram eliminados por postarem imagens da prova em redes sociais.

Além dos municípios de Taió (SC) e Rio do Sul (SC), que tiveram as provas suspensas por causa das chuvas, uma escola de Marituba (PA) teve a prova cancelada neste domingo por falta de energia. Com isso os alunos que se inscreveram na escola Nossa Senhora do Rosário farão as provas nos dias 1º e 2º de dezembro. O ministério apontou que aconteceram 23 casos de interrupção de provas por falta de energia elétrica.

O ministério também apontou que aconteceram nove ocorrências médicas e citou um caso de erro da pessoa que aplicou a prova em uma escola da cidade de Santa Luzia (MG). “Três alunos tiveram menos tempo para fazer a prova e vão ter o direito de fazê-la novamente”, disse Mercadante.

Redação

Ao tema da redação do Enem deste ano (A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira), Mercadante disse que não há participação do ministro da Educação na escolha, mas apontou que gostou do tema: “Eu achei um tema excelente. Ajuda a conscientizar sobre a questão da violência contra a mulher”. A escolha do assunto causou polêmicas em redes sociais e foi comemorado por feministas.

Vestibular