MP vê "excessos" de diretora que "prendeu" alunos de escola ocupada em SC

Aline Torres

Colaboração para o UOL, em Florianópolis

  • Ocupação Martin Luther King

    Policiais foram chamados para vistoriar a Escola Estadual Irene Stonoga, em Chapecó (SC)

    Policiais foram chamados para vistoriar a Escola Estadual Irene Stonoga, em Chapecó (SC)

As ações da diretora da Escola Estadual Irene Stonoga, em Chapecó (SC), que trancou os alunos, chamou a polícia e proibiu a entrada de comida, foram consideradas "excessivas" pela promotora da Vara da Infância e Adolescência Vânia Augusta Cella Piazza, que investiga o caso. 

Na quarta-feira (26), a diretora da escola, Jaqueline Weiller Brock, mandou trancar os portões da escola mantendo os estudantes, que protestavam contra as medidas do governo federal para o ensino médio, presos em um corredor durante 14 horas. A entrega de alimentos foi proibida e, quando pais e manifestantes exigiram a abertura do portão, policiais militares foram acionados e se apresentaram com fuzis.

O processo contra a diretora tramita nas varas da Fazenda e da Infância e Adolescência. "A diretora não soube estabelecer um diálogo. E que foram cometidos excessos, como a presença da polícia militar, desnecessária naquele contexto", disse a promotora, que analisa o pedido de afastamento da funcionária.

A escola fica em uma das regiões de maior vulnerabilidade social em Chapecó, cidade de 166 mil habitantes do oeste catarinense.

Ocupação Martin Luther King
Os estudantes ficaram assustados com a determinação de trancar a escola
A ocupação começou na noite de terça, um dia antes do ocorrido. Após o trancamento dos portões, os pais se desesperaram e foram chamadas instituições de Direitos Humanos e a promotoria. Segundo algumas testemunhas, a diretora da instituição agrediu pais e alunos que forçavam o portão para entrar na escola. Professores também teriam sido repreendidos por Jaqueline.

Essas violações foram relatadas em documento oficial pelo coordenador do Centro de Referência em Direitos Humanos da Universidade Federal Fronteira Sul, Tulio Vidor. O documento foi entregue para o Ministério Público de Santa Catarina, o Comando Geral da Polícia Militar, a Secretaria Estadual de Educação e à direção da escola. A Umes (União Municipal dos Estudantes Secundaristas) pediu o afastamento da funcionária pública.

O UOL tentou entrar em contato com a diretora, mas ela está afastada, segundo a secretaria da escola, "por motivos de saúde". 

A Secretaria Estadual da Educação negou que os alunos tenham sido presos ou sofrido algum tipo de ameaça. Eles também alegaram que a Polícia Militar foi chamada para "ajudar a contornar a população". As aulas seguem normalmente, apesar da ocupação.

Após ter acompanhado a repressão sofrida pelos estudantes, o professor de História da Universidade Federal Fronteira, Everton Bandeira Martins Sul optou por se unir a ocupação.  "Depois de tudo o que presenciei estou aqui para apoiá-los. Creio que a diretora estava tão descontrolada que seus atos não eram mais racionais. Ela gritava 'essa é a minha escola, a minha escola'. Bateu em alunos, nos seus pais, recolheu os celulares. Fez vídeos dos manifestantes e os ameaçou", conta.

Atualmente há 70 estudantes na ocupação. Eles acordam às 6h, após meia hora se reúnem para o café (os alimentos são levados pelos pais), e às 7h varrem o chão para que as aulas comecem. Ao longo do dia há três rodas de discussões sobre a PEC 241.

"Vamos resistir até que a PEC seja barrada", diz estudante

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos