Topo

Gestão Doria promete aumentar em 32% o número de alunos em ensino integral

O governador do Estado de São Paulo, João Doria, e o secretário de Educação, Rossieli Soares  - Estadão Conteúdo
O governador do Estado de São Paulo, João Doria, e o secretário de Educação, Rossieli Soares Imagem: Estadão Conteúdo

Ana Carla Bermúdez

Do UOL, em São Paulo

21/08/2019 12h29

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), quer aumentar em 32% o número de alunos matriculados no programa de ensino integral do estado em 2020.

Hoje, 417 escolas do estado fazem parte do programa, que tem 156 mil alunos do ensino fundamental e médio matriculados.

A expectativa da gestão Doria é que cerca de 100 escolas, com média de 500 alunos, passem a fazer parte do programa no ano que vem --isto é, que mais 50 mil estudantes estejam matriculados no ensino integral em 2020.

Segundo o secretário estadual de educação, Rossieli Soares, a iniciativa segue o PNE (Plano Nacional de Educação) e o PEE (Plano Estadual de Educação), que estabelecem que até 2024 e 2026, respectivamente, 50% das escolas ofereçam educação em tempo integral.

"Existe demanda na rede. Mais alunos procuram o ensino integral do que as vagas que estamos oferecendo hoje", disse o secretário.

Soares, no entanto, não especificou um orçamento para a expansão. Disse apenas que a secretaria estadual de educação está sempre empenhada para encontrar mais recursos.

"Estamos trabalhando para sempre encontrar onde vamos encontrar eficiência nos gastos", afirmou o secretário, que disse ser um defensor da ampliação dos recursos para a educação, mas com boa gestão.

"O que estamos anunciando aqui temos plenas condições de fazer para o ano que vem", disse.

O programa de ensino integral funciona por adesão. Nas escolas que aderem ao programa, professores recebem um acréscimo de 75% no salário e atuam em regime de dedicação exclusiva. Já os alunos têm disciplinas eletivas além das aulas obrigatórias.

Em 2019, 53 escolas aderiram ao programa. Para 2020, será dada prioridade a escolas de maior vulnerabilidade e que tenham capacidade ociosa (isto é, espaço físico para que se possa fazer o turno integral) para a adesão ao programa.

As escolas têm até o dia 13 de setembro para manifestar interesse em aderir ao programa.

Matrícula online

Soares também anunciou hoje uma modernização no sistema de matrículas, que poderão ser feitas online e por meio de um aplicativo.

Para ter acesso ao sistema, no entanto, pais ou responsáveis precisam estar com o cadastro atualizado na secretaria de Educação.

"Estamos buscando modernizar, mas para isso precisamos fazer um processo de atualização cadastral", disse. "Temos 3,5 milhões de alunos, mas apenas 350 mil cadastros de responsáveis que permitem acesso à plataforma".

A atualização cadastral pode ser feita junto ao período de matrículas, de 26 de agosto a 23 de setembro.

Pais que tenham filhos na rede estadual, mas que não tenham o cadastro, devem ir até a escola com comprovante de residência e RG ou certidão de nascimento.

Os pais que já tiverem o cadastro podem atualizar os dados no site da secretaria estadual de Educação ou através do aplicativo Minha Escola SP.

Pelo aplicativo, os pais e responsáveis poderão acompanhar as notas dos alunos e a frequência escolar.

Mais Educação