Topo

Colégio de BH cancela prova com texto de Duvivier crítico a Bolsonaro

Gregório Duvivier é colunista da Folha de S. Paulo e crítico a Jair Bolsonaro - Folhapress/Cecília Acioli
Gregório Duvivier é colunista da Folha de S. Paulo e crítico a Jair Bolsonaro Imagem: Folhapress/Cecília Acioli

Daniel Leite

Colaboração para o UOL, em Juiz de Fora (MG)

10/10/2019 16h20Atualizada em 10/10/2019 22h40

Um colégio particular de Belo Horizonte cancelou a prova de Língua Portuguesa de alunos do 2º ano do ensino médio, após pais reclamarem de uma questão que tinha conteúdo crítico ao presidente Jair Bolsonaro (PSL). O texto utilizado na prova era um artigo do ator e escritor Gregório Duvivier, colunista da Folha de São Paulo.

Em entrevista ao UOL, o diretor acadêmico do Colégio Loyola, Carlos Freitas, diz que a educação da instituição preza pela "formação integral e por abordar questões sociais". No entanto, afirma ter ocorrido uma falha na formulação da questão. Já o Sindicato dos Professores de Minas Gerais emitiu nota de repúdio e indignação e chamou o ato de "censura".

A questão causadora da polêmica não pedia a opinião dos estudantes. Eles deveriam responder a perguntas fechadas de Língua Portuguesa, tomando por base o artigo de Duvivier. No texto, o colunista classifica o atual governo como um "gatilho poderoso para a depressão", e, para ele, o presidente "parece eleito pela indústria farmacêutica para vender antidepressivo".

Segundo o diretor acadêmico Freitas, por causa da carga de trabalho de final de ano, com muitas provas, o teste passou pelo crivo de dois professores, como é corriqueiro. Porém, eles não notaram a falta do "contraditório".

"Todo texto precisa ter o contraditório. A prova é feita pelo professor e passa por outro professor da mesma disciplina, que atua como assessor na construção do conteúdo pedagógico. Essa passou por esses dois crivos, sem perceber que a questão não atendia à orientação de ser apartidária".

Freitas nega ter ocorrido censura. "Nós cancelamos a prova e propusemos outra prova. A professora foi chamada, não há retaliação e nem culpa. Não há, de maneira alguma, questão ligada à censura".

Para o diretor, que também é professor de História, em uma questão que envolve política é necessário ter os dois lados, para ajudar na formação dos estudantes. "[É preciso] ter os dois lados para o próprio aluno fazer o discernimento", pontua.

Segundo ele, a escola aplicará outra prova nos próximos dias e prevalecerá a maior nota, caso o estudante opte por fazer.

Assessoria contesta informação

Após a publicação da reportagem, a assessoria de imprensa do Colégio Loyola contestou a informação de que a prova foi cancelada porque houve reclamação dos pais. A assessoria afirmou que a instituição tomou a iniciativa de anular o teste antes de os pais reclamarem.

O UOL, porém, mantém a versão inicial do texto, a partir da declaração do diretor. À reportagem, ele afirmou: "Quando a gente viu, o texto já havia sido aplicado, corrigido, e isso gerou um questionamento muito grande de vários....da comunidade escolar como um todo, ou parte dela. Nós pegamos, olhamos o instrumento, vimos que ele não atendia a orientação, cancelamos a prova e propusemos a feitura de outra prova".

Sindicato emite nota de repúdio

Em entrevista ao UOL, a presidente do Sindicato dos Professores de Minas Gerais (Sinpro) diz que a entidade foi procurada por professores e ex-alunos "horrorizados" com a atitude de pais retaliando o texto de Duvivier, em uma prova escolar. Em nota, a entidade tratou o cancelamento do teste como "censura, retaliação e mordaça aos trabalhadores da educação".

Valéria Morato argumenta se tratar de um conteúdo aberto, disponível na internet, que não deveria ter sido motivo para cancelar a prova. "Causou espanto quando vimos a reação da escola de anular a prova".

De acordo com a presidente do Sinpro, o Colégio Loyola negou suas próprias tradições. "É uma escola conceituada, que sempre prezou por um espaço democrático, de crescimento, de oferecer o direito ao contraditório".

O caso, na opinião da dirigente sindical, evidencia falta de respeito à autonomia do professor. "Nos surpreende que a escola se curve retirando a autonomia do professor. Na nossa avaliação, fere a liberdade de cátedra".

A questão que causou o alvoroço contém informação para ajudar na formação dos alunos, avalia Morato. Para ela, se o professor optou pelo texto, é um sinal de que respeita o projeto político-pedagógico da instituição.

"A profissão de professor tem sido atacada por pessoas que desconhecem o processo pedagógico", complementa a presidente do Sinpro. Na nota de repúdio e indignação, o sindicato avalia que "não é papel docente colocar uma venda nos olhos dos alunos e lhes mostrar uma visão 'filtrada' da realidade em que vivemos". Em outro trecho, diz que o cancelamento da prova "caminha na contramão do processo educativo que necessita ser crítico, reflexivo, amplo e democrático".

Mais Educação