PUBLICIDADE
Topo

Secretário de Educação de SP diz não aconselhar que pais reprovem os alunos

9.mai.2018 - Rossieli Soares, secretário estadual de Educação de São Paulo, diz não aconselhar que pais reprovem os alunos - Renato Costa/Estadão Conteúdo
9.mai.2018 - Rossieli Soares, secretário estadual de Educação de São Paulo, diz não aconselhar que pais reprovem os alunos Imagem: Renato Costa/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

10/07/2020 10h53

O secretário estadual de Educação de São Paulo, Rossieli Soares, admitiu que o ano escolar de 2020 não está sendo o ideal devido à pandemia do novo coronavírus, mas desaconselhou os pais a reprovarem os filhos e disse que a pasta não vai trabalhar nesta direção.

Em entrevista ao Bom Dia São Paulo, da TV Globo, o secretário foi questionado por uma telespectadora se ela poderia optar pela reprovação dos filhos pois considera que eles não estão tendo o aprendizado ideal com o ensino à distância.

"Não aconselhamos porque a criança vai carregar isso pro resto de sua aprendizagem. O ideal é que a família nos ajude neste momento a fazer o melhor possível e que a gente consiga recuperar juntos, um trabalho que é conjunto nos próximos anos", respondeu ele, destacando a criação do 4º ano do ensino médio, que tem como objetivo dar oportunidade aos alunos do 3º ano do ensino médio que sentirem prejuízo na aprendizagem no ano de 2020.

"É importante ter uma recuperação mais prolongada do que simplesmente dizer 'ah, vou reprovar todo mundo, vamos cancelar o ano letivo'. Essa possibilidade não existe. Agora, se a criança não apresentar as tarefas, não tiver nada, até poderia (reprovar), mas não é um trabalho... aliás, estamos discutindo isso com os professores, não aconselhamos e não vamos trabalhar nessa direção", acrescentou.

Rossieli afirmou ainda que a retomada das aulas presenciais continua prevista para setembro, mas que o governo tem feito avaliações semanais.

Segundo ele, o processo de recuperação do ano letivo será "complexo e longo", os alunos passarão por uma avaliação e, a partir disso, um plano de recuperação será elaborado.

"A avaliação diagnóstica vai nos dar esse quadro de estudante. Parada cada estudante, teremos que ter um plano de recuperação (...) Nós vamos ter crianças que avançaram mais e que avançaram menos. Personalizar o ensino é um dos caminhos que hoje mais se discute na educação", argumentou.

Educação municipal

Em entrevista ao telejornal, o secretário municipal de Educação de São Paulo, Bruno Caetano, também disse que uma prova será aplicada aos alunos para saber o que foi aprendido e o que não foi durante o período. Segundo ele, todos os conteúdos serão trabalhados e a orientação do prefeito Bruno Covas (PSDB) é de que "nenhuma criança deve ficar para trás".

"Caso a gente perceba nessa provinha que o aprendizado à distância foi muito ruim, não foi a contento, é muito provável que as aulas continuem em dezembro, em janeiro, fevereiro, aos finais de semana para que a gente tenha condições de recuperar esses conteúdos", afirmou.

Também questionado se os pais deveriam reprovar seus filhos, Caetano disse que "o momento é de ter tranquilidade".

"O momento é de ter tranquilidade. A gente sabe que a vida de todo mundo mudou. A gente precisa ter tranquilidade nessa retomada às aulas, para que esses conteúdos que, eventualmente não foram aprendidos durante as aulas à distância possam ser retomados em sala de aula, com a presença do professor. "

"Não precisa reter ninguém, porque nós vamos trabalhar 2020 e 2021 como se fosse um grande ano", acrescentou.