PUBLICIDADE
Topo

Aulas no Rio serão suspensas na segunda-feira para conter covid-19

A medida foi anunciada por Crivella, prefeito do Rio, e será adotada também pelo estado do RJ - Rodolfo Santos/Getty Images/iStockphoto
A medida foi anunciada por Crivella, prefeito do Rio, e será adotada também pelo estado do RJ Imagem: Rodolfo Santos/Getty Images/iStockphoto

Igor Mello

Do UOL, no Rio

04/12/2020 13h27

O governador em exercício do Rio, Cláudio Castro (PSC), e o prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) anunciaram hoje a suspensão de aulas em escolas públicas de todo o estado a partir de segunda-feira (7).

A medida foi anunciada por Crivella e será adotada também pelo estado. Segundo o prefeito, o objetivo principal é reduzir aglomerações no transporte público. Após flexibilizações de restrições, a capital e o estado do Rio registram aumento de casos, internações e mortes em decorrência do novo coronavírus.

Crivella e Castro também autorizaram que shoppings e centros comerciais funcionem 24 horas por dia para reduzir o número de clientes ao mesmo tempo nos estabelecimentos, devido ao aumento de demanda por conta das compras de Natal.

Castro alertou os empresários para que cumpram as normas sanitárias e evitem novas medidas de restrição.

"A pandemia não foi embora. Vivemos um ano extremamente difícil. Um ano em que todos tiveram prejuízos incalculáveis, em que muitos não conseguiram trabalhar", afirmou. "Cuidem não só de seus funcionários, mas da população."

Castro e Crivella anunciaram ainda a abertura de novos leitos na rede pública para lidar com o crescimento de casos de covid-19.

O governo do estado irá abrir 386 leitos, dos quais 314 são se UTI (Unidade de Terapia Intensiva). Já a prefeitura planeja criar 220 novas vagas, sendo 50 de UTI, em três semanas.

Alta de casos, internações e mortes

Na semana passada, dados da SES (Secretaria Estadual de Saúde) analisados pelo UOL mostraram que o número de internações, de solicitações de leitos e a fila de espera por vagas atingiram o maior patamar desde junho, quando o estado começava a deixar o primeiro pico da doença.

Os dados dizem respeito a pacientes incluídos na Central Estadual de Regulação —mecanismo que une leitos de enfermaria e UTI (Unidade de Terapia Intensiva) em unidades estaduais, além dos disponibilizados por hospitais municipais e federais.

Na rede privada, a procura também aumentou. Ao final da semana passada, hospitais particulares já tinham 97% dos leitos de UTI destinados a pacientes com coronavírus ocupados na capital, segundo a Associação de Hospitais do Estado do Rio de Janeiro, que representa 300 hospitais e clínicas de saúde particulares.

Até quinta-feira (3), o estado tinha 22.891 óbitos por covid-19 e a capital, 13.465.