PUBLICIDADE
Topo

SP, ES, PR e DF já têm estimativa para início de vacinação de professores

Profissionais da Educação não são prioridade no plano de vacinação em outros países - SOPA Images/Colaborador Getty Images
Profissionais da Educação não são prioridade no plano de vacinação em outros países Imagem: SOPA Images/Colaborador Getty Images

Ana Paula Bimbati

Do UOL, em São Paulo

27/03/2021 04h00

Além de São Paulo, que anunciou a vacinação contra a covid-19 para professores da rede pública e particular, outros três estados já têm uma previsão para imunizar os profissionais da Educação: são eles Espírito Santo, Paraná e Distrito Federal.

O Espírito Santo prevê vacinar os professores a partir do dia 15 de abril, confirmado ao UOL pela Secretaria Estadual de Educação. Os profissionais da educação do Paraná começarão a ser imunizados até o dia 31 de maio, segundo a pasta estadual. Os professores fazem parte de um grupo prioritário e receberão as doses previstas para 4 milhões de pessoas.

No Distrito Federal, a proposta é vacinar pelo menos 50 mil profissionais, entre professores efetivos, temporários, merendeiras, funcionários da limpeza e vigilância. Segundo o governo do DF, as doses serão aplicadas no próximo recebimento de vacinas, que será feito pelo Ministério da Saúde.

Em São Paulo, o governo estadual começa a vacinação no dia 12 de abril para profissionais com mais de 47 anos.

Vacinação em outros países

Recomendada por especialistas e pela Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), a vacinação em professores contra o coronavírus pelo mundo tem acontecido de diferentes formas e tempos. O Chile é considerado o país referência, já que iniciou a imunização dos docentes em fevereiro e colocou os profissionais no grupo prioritário.

Na Itália e na Espanha, os docentes também já começaram a ser imunizados. Nos Estados Unidos, o presidente Joe Biden disse no início do mês que tinha a meta de vacinar todos os professores até o dia 31.

Os professores franceses não são prioridade no plano de vacinação da França. Em Portugal, os profissionais foram inseridos nos grupos prioritários este mês.