PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Filha de pedreiro e de costureira, jovem de GO é aprovada em Harvard

Thauany Galvão, de 22 anos, foi aprovada em Harvard - Arquivo Pessoal
Thauany Galvão, de 22 anos, foi aprovada em Harvard Imagem: Arquivo Pessoal

Abinoan Santiago

Colaboração para o UOL

05/05/2021 14h55Atualizada em 05/05/2021 19h54

Filha de um servente de pedreiro e de uma costureira, a farmacêutica Thauany Araújo Galvão, de 22 anos, tomou um susto quando abriu o e-mail na última semana de abril, encontrando uma mensagem da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, informando sobre a concessão de uma bolsa de 25% em um de seus cursos de pós-graduação.

A conquista da jovem viralizou nas redes sociais. Sem condições para pagar o restante do curso, ela decidiu fazer uma vaquinha online para arrecadar R$ 30 mil e conseguir estudar na universidade da cidade de Boston, uma das melhores do mundo.

Até mesmo o diretor da escola de saúde de Harvard chegou a parabenizar a jovem na publicação viral.

Thauany vai cursar especialização em Pesquisa Clínica. Ela conta que a aprovação aconteceu por acaso. Ela trabalha como secretária de comitê científico do Instituto de Ciências Farmacêuticas de Goiás, mas queria atuar na área clínica após concluir o curso de farmácia em dezembro de 2020.

"Como não consegui emprego, decidi fazer cursos em inglês para me aprimorar. Pesquisei na internet e apareceu esse de Harvard. Enviei meus documentos, incluindo uma carta de recomendação que minha chefe escreveu. Na semana passada, recebi o email e na hora quase caí para trás", lembra.

A previsão é de que as aulas comecem em agosto, ainda de maneira remota por conta pandemia, e se estendam até janeiro de 2022.

Thauany ainda espera atualizações para saber quando e se irá se mudar de fato para os Estados Unidos, já que a formatura é presencial.

A especialização custa 4,5 mil dólares, cerca de R$ 25 mil na cotação de hoje, o que é inviável pelas condições financeiras da família.

Do interior à capital em busca do sonho

Thauany trata a oportunidade como uma das mais importantes da vida dela, pois deseja seguir na academia como cientista de farmácia. "Quero ajudar as pessoas com fármacos", diz.

O desejo da jovem é antigo e faz parte do contexto da família. O servente de pedreiro Florir Lopes Galvão, de 58 anos, e a costureira Egla Araújo Galvão, de 53, acreditaram no sonho da filha de seguir os estudos e se mudaram de Estrela do Norte para Goiânia, em 2015, após a jovem ganhar bolsas de graduação pelo Prouni e OVG (Bolsa Universitária de Goiás).

Thauany é filha da costureira Egla Galvão e do servente de pedreiro Florir Galvão - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Thauany é filha da costureira Egla Galvão e do servente de pedreiro Florir Galvão
Imagem: Arquivo Pessoal

"Eu havia acabado de sair do ensino médio, fiz o Enem e ganhei uma bolsa de graduação em 2015 e finalizei em dezembro", detalha.

Ao contar sobre a conquista aos pais, Thauany lembra que ambos não se deram conta da relevância da universidade.

Segundo ela, a 'ficha "caiu" apenas quando souberam que se tratava da "universidade que aparecia nos filmes".

"Eles parabenizaram, mas não sabiam o que era Harvard. Os familiares começaram a ligar e foi quando minha mãe soube que a universidade era a mesma que aparecia nos filmes. Começou a gritar e chorar", relata.

Como ajudar

A jovem já arrecadou 600 dólares, cerca de R$ 3,2 mil, doados pela FacUnicamps (Faculdade Unida de Campinas), instituição onde se graduou em farmácia.

O dinheiro foi usado para pagar a matrícula.

Agora, ela corre contra o tempo para depositar o restante do valor, dividido em duas vezes.

"Tenho até 6 de junho para pagar a primeira parcela, que são 900 dólares [R$ 4,8 mil] e o restante até o fim de agosto, que é quando inicia o curso", afirma.

A vaquinha virtual pode ser acessada neste link.