Hino da Proclamação da República: Veja letra, conheça história e ouça

O hino da Proclamação da República, celebrada nesta quarta-feira (15), é um dos símbolos que marca o evento que encerrou a monarquia no Brasil.

Em 1889, o marechal Deodoro da Fonseca assinou o Decreto 1º, ato que resultou na derrubada da monarquia e na instauração do republicanismo.

O hino da Proclamação da República foi composto no ano seguinte, em 1890. Duas pessoas assinam a obra: o jornalista e escritor Medeiros e Alburquerque (letra), e o compositor e maestro Leopoldo Miguez (música).

A história do hino

A canção venceu o concurso criado para eleger o hino oficial do Brasil republicano, que tinha o governo provisório do marechal Deodoro da Fonseca.

Mesmo com a vitória na disputa, a composição acabou não sendo utilizada como o novo hino nacional.

Em decreto de 1890, o governo brasileiro definiu que a composição fosse empregada como hino da Proclamação da República.

Assim, a obra ficou conservada como um dos símbolos da proclamação do regime republicano brasileiro.

Hoje, o hino não é executado com tanta frequência. Não é comum ser ouvido em solenidades oficiais.

Continua após a publicidade

A letra do hino

Hino da Proclamação da República

Música: Leopoldo Miguez (1850/1902)
Letra: Medeiros e Albuquerque (1867/1934)

"Seja um pálio de luz desdobrado.

Sob a larga amplidão destes céus

Este canto rebel que o passado

Continua após a publicidade

Vem remir dos mais torpes labéus!

Seja um hino de glória que fale

De esperança, de um novo porvir!

Com visões de triunfos embale

Quem por ele lutando surgir!

Liberdade! Liberdade!

Continua após a publicidade

Abre as asas sobre nós!

Das lutas na tempestade

Dá que ouçamos tua voz!

Nós nem cremos que escravos outrora

Tenha havido em tão nobre País...

Hoje o rubro lampejo da aurora

Continua após a publicidade

Acha irmãos, não tiranos hostis.

Somos todos iguais! Ao futuro

Saberemos, unidos, levar

Nosso augusto estandarte que, puro,

Brilha, ovante, da Pátria no altar!

Liberdade! Liberdade!

Continua após a publicidade

Abre as asas sobre nós!

Das lutas na tempestade

Dá que ouçamos tua voz!

Se é mister que de peitos valentes

Haja sangue em nosso pendão,

Sangue vivo do herói Tiradentes

Continua após a publicidade

Batizou este audaz pavilhão!

Mensageiros de paz, paz queremos,

É de amor nossa força e poder

Mas da guerra nos transes supremos

Heis de ver-nos lutar e vencer!


Liberdade! Liberdade!

Continua após a publicidade

Abre as asas sobre nós!

Das lutas na tempestade

Dá que ouçamos tua voz!


Do Ipiranga é preciso que o brado

Seja um grito soberbo de fé!

O Brasil já surgiu libertado,

Continua após a publicidade

Sobre as púrpuras régias de pé.

Eia, pois, brasileiros avante!

Verdes louros colhamos louçãos!

Seja o nosso País triunfante,

Livre terra de livres irmãos!


Liberdade! Liberdade!

Continua após a publicidade

Abre as asas sobre nós!

Das lutas na tempestade

Dá que ouçamos tua voz!"

Ouça o hino

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes