Brasil cumpre apenas 2 de 6 metas de educação fixadas pela Unesco

Em Brasília

Na mesma semana em que a "Pátria Educadora" ganhou um novo ministro da Educação - o quarto a comandar o MEC nos últimos cinco meses -, um relatório a ser divulgado pela Unesco nesta quinta-feira, 9, aponta que o Brasil avançou na área nos últimos 15 anos, mas só cumpriu duas de seis metas fixadas em 2000 no "Marco de Ação de Dakar, Educação Para Todos (EPT): Cumprindo nossos Compromissos Coletivos". Na época, o EPT lançou uma agenda ambiciosa com seis objetivos educacionais para serem alcançados por 164 países até 2015.

Os únicos objetivos cumpridos pelo Brasil foram o alcance da educação primária universal (primeiro ciclo do ensino fundamental, do 1º ao 5º ano), principalmente para meninas, minorias étnicas e crianças marginalizadas; e o alcance da paridade e a igualdade de gênero - ou seja, a mesma proporção de homens e mulheres nas escolas.

"O que a gente tem de tirar de reflexão é que a educação não é uma coisa imediata, exige uma visão de longo prazo, deve ser política de Estado e transcender qualquer governo", avalia a coordenadora de Educação da Unesco no Brasil, Rebeca Otero. "O Brasil é um país complexo, mas estou otimista e acho que o País tem condições de avançar muito em educação."

Intitulado "Relatório de Monitoramento Global de EPT", o documento destaca que, no Brasil, grandes diferenças em oportunidades educacionais estão associadas às disparidades entre meio rural e urbano e à "desigualdade de empenho e investimento do governo no setor".

Embora elogie programas como o Bolsa Família, o documento sustenta que a iniciativa não cobre totalmente os extremamente pobres e, portanto, não "enfrenta os desafios" dessas pessoas.

Entre os objetivos não cumpridos pelo Brasil estão a expansão da educação infantil e os cuidados na primeira infância, especialmente para as crianças mais vulneráveis - segundo o parâmetro adotado pela Unesco, o critério de educação infantil e cuidados na primeira infância no Brasil abrange a educação de 0 a 5 anos, ou seja, creche e pré-escola.

"No caso do Brasil, até o ano de 2012, segundo últimas informações obtidas pela Unesco, não conseguimos alcançar os 80% da taxa de matrícula na educação infantil", diz Rebeca, referindo-se ao indicador da pré-escola (4 a 5 anos).

Já a conclusão dos estudos no ensino médio é outro grande desafio. "O aluno entra no ensino médio, mas não sai dele. Além disso, precisamos dar mais chances aos mais pobres ingressarem nessa etapa de ensino", afirma Rebeca.

De acordo com o relatório, no Brasil, onde a "repetição tem sido considerada um desafio central para educação, reduções na porcentagem de repetência são ao menos parcialmente um resultado de reformas abrangentes para aperfeiçoar o acesso à educação na primeira infância".

Analfabetismo

O documento ainda aponta que o Brasil não conseguiu alcançar uma redução de 50% nos níveis de analfabetismo de adultos até 2015 - um compromisso que foi alcançado apenas por 25% dos 73 países que ofereceram dados sobre alfabetização de adultos.

Na América Latina, apenas Peru, Suriname e Bolívia deverão alcançar esse objetivo de redução do analfabetismo, enquanto Colômbia e Nicarágua estão longe da meta. Na região, 33 milhões de adultos não têm habilidades mínimas em escrita e leitura.

Apesar de avanços, o objetivo de melhorar a qualidade de educação e garantir resultados mensuráveis de aprendizagem para todos também não foi alcançado pelo Brasil.

"O grande desafio para o Brasil nesse aspecto é a qualificação dos professores. Melhorar infraestrutura, ter escolas seguras. Hoje a gente vê armas e drogas entrando nas nossas escolas, é importante fazermos um esforço pra tornarmos escolas boas, equipadas e seguras", observa Rebeca.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos