Enem

Jovem com deficiência auditiva tem aparelho de surdez retirado no Enem

José Maria Tomazela

Sorocaba

  • Gustavo Lourencao/Folha Imagem

    Aparelho de surdez

    Aparelho de surdez

O estudante Danilo Maralha Ribeiro, de 17 anos, que tem deficiência auditiva, foi retirado da sala e revistado por estar usando um aparelho de surdez quando fazia a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) no domingo (5), em Santa Bárbara d'Oeste, no interior de São Paulo.

O fato aconteceu justamente no ano em que o tema da Redação era "Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil" e os candidatos deveriam apresentar "proposta de intervenção que respeitasse os direitos humanos".

Leia também:

Segundo a família, o aparelho foi retirado e devolvido danificado. Os pais registraram um boletim de ocorrência na Polícia Civil pelo dano e pelo constrangimento sofrido pelo adolescente.

De acordo com a mãe de Danilo, a auxiliar odontológica Emirlei Ribeiro Maralha, quando o filho preencheu o formulário de inscrição, ele informou que tinha deficiência auditiva. "Ele tem deficiência total num dos ouvidos e parcial em outro. Na escola em que ele estuda tem auxiliar, por isso ele fez constar no formulário que não precisava de uma pessoa o ajudando. Ele não falou do aparelho, mas quando você coloca que é deficiente auditivo, imagina que já se presume que usa aparelho."

O rapaz relatou que foi abordado por dois fiscais que o mandaram interromper a prova e sair da sala. O equipamento foi retirado e o jovem foi submetido a revista. O aparelho foi devolvido dentro de um saco plástico e teve de ser mantido sob a carteira.

"Quando foi usar, ele viu que não estava funcionando. Meu filho ficou transtornado com tudo isso, perdeu muito tempo e não sei em que condições ele conseguiu fazer a prova", contou a mãe.

Ao saber do que acontecera, o pai de Danilo, Lourival Francisco Ribeiro, foi à Faculdade Anhanguera, onde a prova foi realizada, e falou com os organizadores do Enem. "Disseram que foi adotado o procedimento padrão. Não entendo, pois o Danilo estuda em escola pública e nunca teve esse tipo de problema."

O filho chegou a dizer que não vai fazer a prova do Enem no próximo domingo, mas Emirlei acha que ele mudará de ideia. "A gente tem de respeitar o que ele decidir, mas a parte psicológica dele é muito boa. Acredito que ele vai na prova."

O adolescente cursa o terceiro ano do ensino médio e faz curso técnico na escola do Serviço Nacional da Indústria (Senai). Ele pretende entrar em faculdade de Engenharia ou Educação Física.

Professora surda desabafa sobre críticas ao tema da redação do Enem

Nesta terça-feira (7), o pai levou Danilo à fonoaudióloga para avaliar os danos no aparelho.

Emirlei disse que a família ainda não decidiu que tratamento dará para o caso. "Por ora, estamos resolvendo a questão do aparelho, que tem custo alto, e cuidando do bem-estar do Danilo. Até o momento, ninguém do Enem nos procurou."

O caso gerou repercussão em redes sociais. O dentista Marcelo Queiroz, que trabalha com Emirlei, lamentou a discrepância entre o desafios propostos aos candidatos e o tratamento dado ao adolescente. "Desafio dos alunos para se incluírem numa sociedade preconceituosa? Se na folha de inscrição constava que o candidato era deficiente auditivo, por que exigir que retirasse o aparelho? O maior desafio é a formação educacional para todos, não só para os surdos", escreveu.

Procurado pelo jornal O Estado de S. Paulo para que se posicionasse sobre o caso, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), autarquia federal que administra o Enem, informou que, até a tarde desta terça-feira, os fatos ainda estavam sendo analisados pela equipe técnica. Segundo a assessoria, oportunamente será emitida uma nota.

Aluno tinha que trabalhar a ideia de inclusão de deficientes, diz professora

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos