Cota não resolve desigualdades isoladamente, diz reitor

Juliana Diógenes

Em São Paulo

  • Junior Lago/UOL

    O racismo é uma falha de caráter, diz José Vicente

    O racismo é uma falha de caráter, diz José Vicente

O Dia da Consciência Negra, celebrado nesta segunda-feira (20) representa um pedido de desculpas ao povo negro. É o que afirma o reitor da Faculdade da Cidadania Zumbi dos Palmares, o advogado, sociólogo, mestre em Administração e doutor em Educação, José Vicente, de 58 anos.

Para ele, a data é momento de recordar a trajetória do negro no país, mostrar que o "apartheid social" não está resolvido e que o tratamento dado aos negros pelos antepassados não deve sair da memória. "Somos um país de 400 anos de escravidão negra e quatro milhões de escravizados. Nada mais justo, correto e legítimo que tivesse um dia para celebrar, relembrar, cultuar e até se desculpar enquanto país pelo tratamento dado a esse público por tanto tempo".

Na opinião de Vicente, a adoção da cota racial nas universidades "abriu uma brecha na porta", mas isoladamente não garante oportunidades iguais a brancos e negros na sociedade, já que o mercado de trabalho ainda é um "paredão" a ser superado.

O sistema de cotas raciais nas universidades é satisfatório?

Se o Brasil quiser resolver esse problema nacional e estruturante que é o apartheid entre negros e brancos, é preciso concluir o conjunto de ações afirmativas que deem conta de levar pluralidade e diversidade para todos os ambientes sociais. Entrar na universidade é um feito para qualquer jovem, mas o que conta é o que se faz quando se sai da universidade. No caso do jovem negro, ele vai bater no outro paredão que é o mercado de trabalho, que exclui tanto ou mais que o mercado educacional. Não conhecemos um presidente negro nas cinco mil maiores empresas do país. Até conseguimos colocar negros nas universidades, mas não conseguimos colocar professores negros nas salas de aula, na pesquisa ou na estrutura de gestão das universidades. Do conjunto de pesquisadores brasileiros, só 1% é negro. Se não ampliarmos as ações afirmativas para além das cotas, vamos ficar com 50% da população, que é negra, fora da disputa. Para crescer, o Brasil precisa dar igualdade de condições para aqueles que sempre foram marginalizados.

Após se tornar reitor, as situações de racismo contra o senhor mudaram?

As situações são permanentes. Continuam intensas e manifestas. O racismo é uma falha de caráter. Pouco importa se o negro é rico, pobre, famoso. Temos quatro mil instituições de ensino superior no país e não conheço um reitor negro. Uma vez, ao chegar em um evento de educação, fui cumprimentado com "Welcome! Nice to meet you" (Bem-vindo! Prazer em conhecê-lo). Acharam que eu era um reitor de universidade americana. Por circunstâncias do meu trabalho, tenho um carro bom. Quando chego dirigindo, acham que sou o motorista. Isso acontece todo dia e toda hora. O racismo está posto. Está firme e forte.

Pesquisa recente do Ibope mostrou que só 2 em cada 10 brasileiros admitem ser preconceituosos.

O brasileiro é racista e pratica o racismo. Ele não reconhece porque entende que só é racista quem usa expressão ou pratica ato com danos visíveis e avassaladores. Mas o racismo se faz com práticas que talvez, no primeiro momento, podem ser entendidas como inofensivas. Um exemplo de prática são as piadas de cunho racista. Ouvimos com frequência em vários ambientes, às vezes até por amigos. Sim, somos racistas. E admitir que somos racistas é indispensável se quisermos pensar em soluções para o problema.

Há quem diga que já não se pode mais "brincar", que é a vez do "politicamente correto..."

Como o brasileiro acha que não existe racismo e que não há racistas no país, tudo que se faz é em tom de brincadeira, amabilidade, carinho. O brasileiro pensa: "Se houver diferenças, são diferenças sociais. Não é por causa da raça". Mas só agora, através dessas lutas todas, estamos dizendo que não é bem assim e apontando as manifestações racistas. Estamos dizendo: Estes indicadores sociais, governo, são um apartheid racista. Olha, sociedade, a ausência de negros nos espaços sociais do País é uma dimensão do nosso racismo que talvez não se trate do racismo ofensivo e doloso, mas é um racismo implícito, culposo e danoso.

Qual é o papel das redes sociais hoje na luta contra o racismo?

As redes ajudam. Além de fazer o diagnóstico para que possamos apontar as situações de racismo, é possível nominar quem faz e onde faz esses comentários. As redes dão visibilidade e publicidade à causa porque obriga todos a reverem seus conceitos. Todos estão sob o olhar e veredicto do vizinho, que parece dizer: "Se você for racista, vamos denunciar porque isso é contra as regras e você estará fora do jogo".

Como reverbera no movimento negro a crescente participação de personalidades como o casal de atores Lázaro Ramos e Taís Araújo no combate ao racismo e nas discussões sobre a questão negra?

Fortalece e qualifica. Permite que essa mudança ocorra com mais velocidade e que possa agregar muito mais pessoas que antes não faziam [questão de conhecer] ou não conheciam mais sobre o tema. Serve para inspirar. Além de inspiradas, as pessoas também ficam estimuladas a engrossar esse caldo ou a se informar mais sobre a questão, fazer a conscientização ao seu entorno e se juntar nesse esforço de indicar um caminho a seguir. [A participação] cria pelo menos uma direção, um caminho para o qual todos devemos caminhar. Inclui também o tema na agenda das prioridades e evita um efeito sanfona, que é aquele efeito assim: quando vira modismo, entra na agenda. Quando deixa de ser modismo, sai da agenda. Este é um tema que precisa permanecer na agenda, tendo as personalidades à frente ou ao lado. Juntas a nós, elas ajudam a manter o tema na agenda, a temperatura elevada para debater. E ajudam também a pressionar os órgãos públicos, mas também privados, para passar a mensagem de que estamos de olho e queremos mudanças.

No ano passado, o senhor esteve na Comissão Especial de Enfrentamento ao Homicídio de Jovens da Câmara dos Deputados e disse que para o plano nacional de combate à violência contra os jovens ser eficaz é preciso que o país "reconheça o racismo como um agente separatório de classes". De que maneira esse reconhecimento contribui para o combate ao homicídio de jovens?

Em São Paulo, um comandante da Polícia Militar disse recentemente que na periferia a polícia deve atuar de uma forma e nos Jardins deve atuar de outra. Depois, teve outro na mesma linha, em Campinas, que desenhou o perfil do marginal. Havia alguns bairros com nível alto de violência e ele desenhou o perfil dos marginais que deveriam ser abordados. O perfil eram pessoas negras. A estrutura do aparato de segurança tem um viés extremamente classista, que coloca a polícia como muro de contenção da periferia. A Comissão Parlamentar que conduziu essa discussão [na Câmara dos Deputados] está se estruturando para levarmos à OEA (Organização dos Estados Americanos) a denúncia gravíssima do genocídio contra os negros. Está sendo levado à OEA porque não temos meios de combate no Brasil. Nem o Judiciário, nem o Ministério Público, nem o governo tratam com seriedade ou dão qualquer atenção.

As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos