Culinária brasileira: Conheça as comidas típicas do Brasil

Da Página 3 Pedagogia & Comunicação

A culinária brasileira é rica, saborosa e diversificada. Cada um dos estados brasileiros tem seus pratos típicos, preparados de acordo com antigas tradições, que são transmitidas a cada geração.

O significado da comida ultrapassa o simples ato de alimentar-se. São muitas as tradições que consideram a hora da refeição como semi-sagrada, de silêncio, compostura e de severidade. Manda-se respeitar a mesa e, no interior, não se comia trazendo armas, chapéu na cabeça ou então sem camisa. Comer junto é aliar-se: a palavra "companheiro" vem do latim "cum panis", de quem compartilha o pão.

Entre as diversas comidas tradicionais brasileiras que merecem ser citadas, encontram-se:



Região Sul

No Rio Grande do Sul, nada é mais tradicional do que o churrasco. Também devem ser mencionados o arroz-de-carreteiro e o salame de porco. O chimarrão, feito com erva-mate, tomado em cuia e bomba apropriada, é uma marca registrada do gaúcho. A colonização italiana introduziu a produção de vinho, em especial na região da Serra gaúcha.

No Paraná, é comum o barreado, uma mistura de carnes, preparada em panela de barro e acompanhada de farinha de mandioca e banana. Em Santa Catarina, temos as caldeiradas de peixe e, de sobremesa, as tortas de maçã, introduzidas pela imigração alemã.



Região Sudeste

O tutu de feijão, a feijoada, a linguiça, carne de porco e as postas de peixe com pirão são encontradas em diversos Estados da região. No Espírito Santo, há a moqueca capixaba, preparada em panela de barro, com vários tipos de peixe e frutos do mar: marisco, siri, caranguejo, camarão, lagosta, bacalhau, palmito e a tintura de urucum.

Em Minas Gerais, há diversos pratos com carne de porco, galinha ao molho pardo ou com quiabo e angu, arroz carreteiro, arroz com galinha, feijão tropeiro, tutu, couve, torresmo e farofa. O pão de queijo, de origem mineira, hoje é encontrado em várias capitais do país. Sobremesas: bolo de fubá, goiabada com queijo, doces em calda (cidra, abóbora, figo) e doce de leite. O Rio de Janeiro contribui com o picadinho de carne com quiabo e o camarão com chuchu.

Em São Paulo, a culinária caipira se assemelha à de Minas, mas a colônia italiana introduziu as massas e a pizza. Também merecem destaque os pastéis, tão frequentes quanto apetitosos. Há quem diga que eles têm origem na China, mas sobre isso não há certeza. Por outro lado, a imigração japonesa também deixou marcas na mesa dos paulistas, em especial na capital, onde há vários restaurantes japoneses.



Região Centro-Oeste

Entre outros pratos, podem ser citados o arroz de carreteiro, o escaldado, pacu frito ou assado, peixe com mandioca, frango com guariroba, espeto, quiabo frito, pirão, caldo de piranha, dourado recheado.



Região Nordeste

Pratos preparados com peixes são típicos do litoral, enquanto manteiga de garrafa, carne-de-sol e charque representam o sertão. A rapadura é tradicional desde o ciclo da cana-de-açúcar, no início da colonização.

A presença africana é nítida na alimentação da Bahia: vatapá, sarapatel, caruru, acarajé, abará, bobó de camarão, xinxim de galinha, moqueca de peixe. O azeite de dendê é o que diferencia e perfuma os alimentos. Entre os doces, há cocadas, quindim, baba de moça e o famoso "bolinho do estudante", feito de tapioca.

No litoral de Pernambuco, são tradicionais os peixes, ensopados de camarão e casquinhas de siri. No interior do estado, a carne-de-sol e a buchada de bode ou carneiro. No Ceará, há pratos à base de frutos do mar - caranguejos, siris, camarões, ostras e lagosta. Peixada, acompanhada de farinha. No sertão, carne de sol, baião-de-dois, feijão verde, carneirada e a panelada. Doces, sucos e sorvetes feitos com frutas tropicais: cajá, seriguela, graviola, pitomba, pitanga, jambo, coco. No Rio Grande do Norte, toma-se a alambica (sopa de jerimum com leite).



Região Norte

Caldeirada de tucunaré, tacacá, tapioca, pato no tucupi. De origem indígena, o tacacá é uma sopa com tapioca, camarão seco, pimenta e tucupi, nome de um molho preparado com mandioca e jambu que acompanha o pato ou o peixe. Na sobremesa, doces de castanha-do-pará e frutas típicas: açaí, cupuaçu e graviola. Bolo de macaxeira, baião-de-dois.



Cachaça

A bebida mais típica do Brasil é a aguardente de cana-de-açúcar, ou cachaça, que se encontra em todo o território nacional. Sua popularidade pode ser medida pela quantidade de sinônimos que a imaginação popular deu a essa bebida de alto teor alcoólico:

 

abre,
abre-bondade, abre-coração, abrideira, abridora, aca, ácido,
aço, acuicui, a-do-ó, água, água-benta, água-bórica,
água-branca, água-bruta, água-de-briga, água-de-cana,
água-de-setembro, água-lisa, água-pé, água-pra-tudo,
água-que-gato-não-bebe, água-que-passarinho-não-bebe,
aguardente, aguarrás, agundu, alicate, alpista, alpiste, amarelinha,
amorosa, anacuíta, angico, aninha, apaga-tristeza, a-que-incha, aquela-que-matou-o-guarda,
a-que-matou-o-guarda, aquiqui, arapari, ardosa, ardose, ariranha, arrebenta-peito,
assina-ponto, assovio-de-cobra, azeite, azougue, azulada, azuladinha, azulina,
azulzinha, bafo-de-tigre, baga, bagaceira, baronesa, bataclã, bicarbonato-de-soda,
bicha, bichinha, bicho, bico, birinaite, birinata, birita, birrada, bitruca,
boa, boa-pra-tudo, bom-pra-tudo, borbulhante, boresca, braba, branca, brande,
branquinha, brasa, braseira, braseiro, brasileira, brasileirinha, brava,
briba, cachorro-de-engenheiro, caeba, café-branco, caiana, caianarana,
caianinha, calibrina, camarada, cambraia, cambrainha, camulaia, cana, cana-capim,
cândida, canguara, canha, canicilina, caninha, caninha-verde, canjebrina,
canjica, capote-de-pobre, cascabulho, cascarobil, cascavel, catinguenta,
catrau, catrau-campeche, catuta, cauim, caúna, caxaramba, caxiri,
caxirim, caxixi, cem-virtudes, chá-de-cana, chambirra, champanha-da-terra,
chatô, chica, chica-boa, chora-menina, chorinho, choro, chuchu, cidrão,
cipinhinha, cipó, cobertor-de-pobre, cobreia, cobreira, coco, concentrada,
congonha, conguruti, corta-bainha, cotreia, crislotique, crua, cruaca,
cumbe, cumbeca, cumbica, cumulaia, cura-tudo, danada, danadinha, danadona,
danguá, delas-frias, delegado-de-laranjeiras, dengosa, desmanchada,
desmanchadeira, desmancha-samba, dindinha, doidinha, dona-branca, dormideira,
ela, elixir, engenhoca, engasga-gato, espanta-moleque, espiridina, espridina,
espírito, esquenta-aqui-dentro, esquenta-corpo, esquenta-dentro,
esquenta-por-dentro, estricnina, extrato-hepático, faz-xodó,
ferro, filha-de-senhor-de-engenho, filha-do-engenho, filha-do-senhor-do-engenho,
fogo, fogosa, forra-peito, fragadô, friinha, fruta, garapa-doida,
gás, gasolina, gaspa, gengibirra, girgolina, girumba, glostora, goró,
gororoba, gororobinha, gramática, granzosa, gravanji, grogue (CAB),
guampa, guarupada, homeopatia, iaiá-me-sacode, igarapé-mirim,
imaculada, imbiriba, incha, insquento, isbelique, isca, já-começa,
jamaica, januária, jeriba, jeribita, jinjibirra, juçara, junça,
jura, jurubita, jurupinga, lágrima-de-virgem, lamparina, lanterneta,
lapinga, laprinja, lebrea, lebreia, legume, levanta-velho, limpa,
limpa-goela, limpa-olho, limpinha, linda, lindinha, linha-branca, lisa,
lisinha, maçangana, maçaranduba, maciça, malafa, malafo,
malavo, malunga, malvada, mamadeira, mamãe-de-aluana (ou aluanda
ou aruana ou aruanda ou luana ou luanda), mamãe-sacode, manduraba,
mandureba, mangaba, mangabinha, marafa, marafo, maria-branca, maria-meu-bem,
maria-teimosa, mariquinhas, martelo, marumbis, marvada, marvadinha, mata-bicho,
mata-paixão, mateus, melé, meleira, meropeia, meu-consolo,
miana, mijo-de-cão, mindorra, minduba, mindubinha, miscorete, mistria,
moça-branca, moça-loura, molhadura, monjopina, montuava, morrão,
morretiana, muamba, mulata, mulatinha, muncadinho, mundureba, mungango,
não-sei-quê, negrita, nó-cego, nordígena, número-um,
óleo, óleo-de-cana, omim-fum-fum, oranganje, oroganje, orontanje,
oti, otim, otim-fifum, otim-fim-fim, panete, parati, parda, parnaíba,
patrícia, pau-de-urubu, pau-no-burro, pau-selado, pé-de-briga,
péla-goela, pelecopá, penicilina, perigosa, petróleo,
pevide, pílcia, piloia, pilora, pindaíba, pindaíva,
pindonga, pinga, pingada, pinga-mansa, pinguinha, piraçununga, piribita,
pirita, pitianga, pitula, porco, porongo, preciosa, prego, presepe, pringomeia,
pura, purinha, purona, quebra-goela, quebra-jejum, quebra-munheca, quindim,
rama, remédio, restilo, retrós, rija, ripa, roxo-forte, salsaparrilha-de-brístol,
samba, santa-branca, santamarense, santa-maria, santinha, santo-onofre-de-bodega,
semente-de-arenga, semente-de-arrenga, sete-virtudes, sinhaninha, sinhazinha,
sipia, siúba, sorna, sumo-da-cana, sumo-de-cana-torta, suor-de-alambique,
suor-de-cana-torta, supupara, suruca, tafiá, tanguara, teimosa, teimosinha,
tempero, terebintina, tiguara, tindola, tíner, tinguaciba, tiguara,
tiquara, tira-calor, tira-juízo, tira-teima, tira-vergonha, titara,
tiúba, tome-juízo, três-martelos, três-tombos,
uca, uma-aí, unganjo, upa, urina-de-santo, vela, veneno, venenosa,
virge, virgem, xarope-de-grindélia, xarope-dos-bebos, xarope-galeno,
ximbica, ximbira, xinabre, xinapre, zuninga.



Apesar de toda a simpatia que lhe dedica a cultura popular brasileira, não se deve esquecer que a cachaça é uma bebida alcoólica e, nesse sentido, seu consumo acarreta vários riscos à saúde. O álcool é uma droga e provoca dependência. O alccolismo é uma doença e provoca outras doenças, como alguns tipos de cânceres e cirrose hepática. De acordo com a lei, é proibida a venda de bebidas alcoólicas a menores de idade.



Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos