Ciências

Bulimia: Medo de engordar pode ser sinal de transtorno alimentar

Mariana Aprile, Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação

O medo mórbido de engordar faz parte do quadro de bulimia. E comer exageradamente também. Quem tem esse transtorno alimentar pode devorar até 15 mil calorias de uma só vez. Logo depois, corre ao banheiro para vomitar ou usa medicamentos para tentar eliminar o que comeu.

Algumas dessas pessoas fazem uso exagerado de laxantes, diuréticos, hormônios da tireoide ou praticam exercício de forma excessiva. Para o diagnóstico de bulimia nervosa é necessário haver ataques de comilança - o que os especialistas chamam de "episódio do comer compulsivo" -, pelo menos duas vezes por semana, ao longo de três meses seguidos, de acordo com a definição da Associação Americana de Psiquiatria.

 

Auto-imagem distorcida

O bulímico sempre pensa que está gordo - mesmo se, como costuma acontecer, apresenta peso normal. E a doença demora a ser descoberta por familiares ou pessoas mais próximas.

Quem tem bulimia, disfarça o problema. Sabe que seu comportamento é absurdo, mas não tem controle sobre ele, come de forma compulsiva e depois provoca o vômito. É comum entre os bulímicos o hábito de esconder comida no quarto, para futuros episódios.

Bulímicas - a maioria dos casos é de mulheres - têm humor depressivo, baixa auto-estima e vivem tentando perder peso com dietas radicais, fazendo jejuns. Também podem evitar ter vida social porque sabem que seu comportamento está fora da normalidade.

 

Sinais de alerta da bulimia

O peso permanece dentro dos limites normais para 70% dos pacientes com bulimia, porém, seus organismos se ressentem bastante da falta de nutrientes causada pelos episódios repetidos de vômito.

Alguns sinais podem aparecer, como ferimentos ou calos nas costas das mãos, provocados pelo hábito de colocar o dedo na garganta para induzir o vômito. "Outro traço evidente é a queda de unhas e dentes por causa do contato constante com os efeitos corrosivos do suco gástrico do vômito", diz o especialista em odontologia clínica Fausto Eduardo Lang, de São Paulo.

 

Depoimentos ajudam a vencer preconceito

A atriz Jane Fonda, que se tornou guru da forma física com um programa de aeróbica, sofreu de bulimia, de 1950 a meados dos anos 1970. "Por 25 anos, eu não conseguia colocar um garfo de comida na boca sem sentir medo", disse ela em um programa de televisão sobre transtornos alimentares.

Nos anos 1980, a princesa britânica Diana, a Lady Di, morta em 1997, sofreu de anorexia e bulimia, que chamou de "mal secreto" em sua autobiografia, de 1995.

Seu testemunho público sobre sua luta contra o distúrbio ajudou milhares de mulheres a enfrentar o problema e procurar tratamento, na Europa, de acordo com um estudo do Instituto de Psiquiatria de Londres.

Depois da publicação do livro, deu-se o chamado "efeito Diana" e as pessoas perceberam que podiam procurar tratamento: os casos declarados de bulimia passaram de 25 a cada 100 mil mulheres em 1990 para 60, em 1996 - e a busca por ajuda médica continua a crescer.

 

O que desencadeia a bulimia?

Muitos fatores podem desencadear a bulimia. Há relatos de pessoas que descontam as frustrações do cotidiano na comida, e depois vomitam para se sentirem aliviadas de seus problemas. Nesses casos, a causa da bulimia não é o desejo de emagrecer, mas sim a vontade de "descontar" frustrações. Por isso, a bulimia é também conhecida como bulimia nervosa.

Também há relatos em que a bulimia está relacionada com a anorexia - a paciente vomita o pouco que come. A maioria dos casos acontece entre 18 e 20 anos de idade, em mulheres com peso normal, mas que buscam ficar o dia inteiro fazendo dieta ou controlando o seu peso.

 

Os problemas que a bulimia traz

O ato de vomitar, tomar laxantes e diuréticos de forma constante por meses ou anos seguidos, gera graves problemas de saúde e pode levar à morte, por parada cardíaca ou hemorragia.

Muitas vítimas da bulimia só procuram tratamento quando estão com esofagite (inflamação do estômago), gastrite, sangramentos intestinais (devido ao uso excessivo de laxantes), ou com alterações dentárias - os dentes estragam por causa do contato com o ácido do estômago. Existem outros problemas que andam junto da bulimia, como a depressão e a ansiedade.

Se, ao olhar-se no espelho, você fica com a impressão de estar gorda (embora esteja no seu peso normal), cuidado. Você tem o que os médicos chamam síndrome parcial.

Nesse caso, as chances de desenvolver transtornos alimentares como a bulimia são vinte vezes maiores e é indicado procurar ajuda médica.

Mariana Aprile, Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação é estudante de biologia na Universidade Presbiteriana Mackenzie e bolsista de iniciação científica do Mackpesquisa (PIBICK).

UOL Cursos Online

Todos os cursos