Física

Difração de Ondas: Um fenômeno que pode ser sonoro ou luminoso

Paulo Augusto Bisquolo, Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação

Quando se propagam num meio físico, as ondas podem sofrer desvios de diversos modos. Isso ocorre em função de refrações, de reflexões e ainda devido a um fenômeno específico, conhecido como difração, que será examinado aqui.

O que é difração? Para começar, imagine que você está perto da entrada de uma sala onde duas pessoas se encontram conversando. Mesmo sem vê-las, é possível escutar a conversa delas. Como isso acontece?

A entrada da sala pode ser considerada uma fenda por onde as ondas ou vibrações sonoras irão passar.

Contudo, ao atravessar essa porta, as vibrações não irão ficar restritas à área que está diante dela: o som também vai atingir as regiões que lhe são adjacentes. É por isso que uma pessoa encostada na parede, no lado de fora, pode escutar a conversa.

É o que você pode ver na figura a seguir:



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Considere o lado esquerdo da imagem como o interior da sala em questão e o lado direito como o exterior dela. A entrada é a fenda por onde as ondas estão passando.

Note que as ondas sonoras não se espalham somente diante da entrada, propagando-se também para os lados da parede. É precisamente isso que se chama de difração: a passagem de uma onda pela borda de uma barreira ou através de uma abertura.

Onda luminosa

Para compreender o fenômeno da difração é necessário considerar dois elementos: o tamanho da fenda e o comprimento da onda. A difração é mais acentuada quanto maior for o comprimento de onda e quanto menor for o tamanho da fenda pela qual ela vai passar.

O comprimento de uma onda sonora varia em média de 1,7 cm (som agudo) até 17m (som grave). Já o comprimento de uma onda luminosa é muito pequeno quando comparado, por exemplo, ao tamanho da entrada da sala.

Por isso, sua difração também é pequena. Nesse caso, haverá regiões de sombra, ou seja, áreas pelas quais a onda luminosa não irá se propagar.

Observe a figura abaixo.



 

 

 

 

 

 

 

 

O comprimento da onda luminosa varia de 0,4 X 10- 9m (luz violeta) até 0,7 X 10 - 9 m (luz vermelha). Ou seja, quando se lida com a luz, fala-se em ondas realmente muito pequenas.

Portanto, para se produzir a difração da luz, é necessário que as fendas sejam de tamanho comparável ao do comprimento de uma onda luminosa, isto é, fendas de tamanho microscópico.

Paulo Augusto Bisquolo, Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação é professor de física do colégio COC-Santos (SP).

UOL Cursos Online

Todos os cursos